Ex-funcionário que denunciou Gabriel Monteiro por assédio sexual morre em acidente de carro no RJ

Postado em: 29-05-2022 às 14h31
Por: Ícaro Gonçalves
Agentes da Polícia Civil realizam a perícia no local e as informações preliminares indicam que o motorista perdeu a direção do veículo | Foto: Reprodução

O ex-assessor parlamentar Vinicius Hayden Witeze, que denunciou o vereador carioca Gabriel Monteiro pela prática de assédio moral e sexual contra adolescentes, morreu neste sábado (28/5) em um acidente de carro em Teresópolis, estado do Rio de Janeiro. Segundo a Polícia Civil do Estado, o incidente ocorreu via RJ-130, que liga Teresópolis a Nova Friburgo, na região serrana.

Conforme informações do portal Jovem Pan, agentes da Polícia Civil realizam a perícia no local e as informações preliminares indicam que o motorista perdeu a direção do veículo quando entrou em uma curva na rodovia.

Caso Gabriel Monteiro

Hayden prestou depoimento ao Conselho de Ética da Câmara de Vereadores do Rio na quarta-feira (25/5), sendo uma ‘testemunha-chave’ no processo que pode resultar na cassação do vereador Gabriel Monteiro. Na ocasião, Hayden chegou à Câmara cercado por seguranças e usando um colete à prova de balas.

O ex-assessor era um das cincos servidores e ex-funcionários que prestaram queixa contra Gabriel. Em reportagem transmitida no dia 27 de março pelo Fantástico/TV Globo, Gabriel também é visto forjando gravações em seus vídeos no YouTube, como tiroteios ou ajudando a uma criança carente, em benefício de sua imagem.

Uma das vítimas que denunciam as situações de assédio afirmou que trabalhava para os canais do vereador na internet, e relatou situações inconvenientes registradas nos vídeos do Youtube. “Ele me abraçava assim por trás, ‘te amo’ e não sei o que, ‘você é minha amiga’. Beijava o meu rosto, saía de pênis ereto e ia mostrar para o segurança”, relata.

Leia também: Em vídeo íntimo vazado, vereador carioca aparece fazendo sexo com adolescente de 15 anos

Questionada se era tocada por Gabriel sem autorização, Luiza confirmou. Um outro funcionário contou, sem se identificar, que era obrigado a cumprir expediente na casa de Gabriel, onde presenciou cenas constrangedoras. Ele diz: “A gente ficava ali na frente e várias vezes ele foi na parte da frente da varanda da casa, e em outros cômodos a gente já viu também, com o órgão sexual para fora. E se vangloriando do tamanho do pênis. E mesmo se masturbando na frente de toda a equipe.”

À época em que a reportagem foi divulgada, o vereador havia sido procurado e negou irregularidades. “Eu não cometi estupro contra ninguém. É mais uma tentativa de acabar com Gabriel Monteiro.” Sobre as agressões e xingamentos, ele diz que tem relações “praticamente” familiar com os funcionários.

Leia também: Vereador carioca é acusado de assédio sexual por servidores; “Se masturbava na frente da equipe”

“Não desejo mal a ninguém”

O acidente que vitimou o ex-assessor foi registrado na 110 DP, de Teresópolis. Apesar do primeiro diagnóstico apontar perda de direção, diligências serão realizadas para apurar as circunstâncias do acidente.

Pelo Twitter, Gabriel Monteiro se manifestou sobre a morte do ex-assessor. “Quem me conhece sabe que não desejo mal a ninguém. Meu ex-assessor que tinha sido pego oferecendo 600 mil reais a outro assessor para forjar provas contra mim, que foi flagrado junto com o 02 da máfia do reboque, morreu num acidente. É triste demais. Jamais torceria por esse fim! Após tentarem me forjar em estupros, pedofilias, assédios e mil outros crimes, vão falar que eu o matei. De coração, que ele esteja com Deus. Imagino a dor dos seus pais, pessoas maravilhosas”, escreveu.

Compartilhe: