Quinta-feira, 26 de janeiro de 2023

Projeto social de capacitação empreendedora beneficia 50 mulheres venezuelanas

As mulheres receberam valores para início do próprio negócio, junto de kits de utensílios domésticos personalizados de acordo com suas necessidades

Postado em: 27-12-2022 às 11h42
Por: Ícaro Gonçalves
As mulheres receberam valores para início do próprio negócio, junto de kits de utensílios domésticos personalizados de acordo com suas necessidades | Foto: Divulgação

Cinquenta migrantes e refugiadas venezuelanas concluíram a 2ª fase do “Mujeres Fuertes”, um projeto da Organização da Sociedade Civil (OSC) Hermanitos que apoia e capacita mulheres para criarem o seu próprio negócio e alcançarem a independência financeira.

A cerimônia foi realizada na sede da instituição, localizada no Centro de Manaus, e também promoveu a entrega de capital semente com valores de R$ 800 a R$ 1.200 para cada formanda, junto de kits de utensílios domésticos personalizados de acordo com suas necessidades.

A ideia nasceu após uma pesquisa do próprio Hermanitos, em 2021, quando constatou que a maioria das 2.596 famílias venezuelanas entrevistadas tinha mulheres monoparentais, responsáveis pelas despesas da casa.

Continua após a publicidade

Uma das beneficiadas é Ana Joselyn, que tinha grande ansiedade em participar do projeto: “As matérias que dão aqui nas áreas de finanças e questões humanas, junto da parceria com o Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial), foram muito significativas. Fizeram muita diferença e somaram conhecimento para meu empreendimento”.

A jornada aconteceu durante três meses com formação em vários assuntos, incluindo apoio psicossocial, cursos de português, administração de finanças e gastronomia. Além disso, as participantes recebem todo o apoio necessário.

“Procuramos entender como esta mulher se sente, considerando sua situação como migrante e refugiada, pois isso tem impacto no psicológico. Então, preparamos a mente e as técnicas para que elas consigam empreender e gerar muitos frutos com seus negócios”, frisa a supervisora do projeto no Hermanitos, Ana Vasconcelos.

O Mujeres Fuertes é realizado em parceria com a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) e com verba oriunda do Ministério Público do Trabalho (MPT), assim como explica a procuradora Alzira Costa.

“Todos os recursos são oriundos do MPT do Amazonas e redirecionados para o Hermanitos, para que promova ações de trabalho descendentes e, em especial, com mulheres migrantes venezuelanas. Por isso, o nome ‘Mujeres Fuertes’”.

Leia também: Abandonados e sem assistência, crianças venezuelanas choram com fome em casa de Anápolis

Veja Também