Caiado pode ser segundo governador de Goiás reeleito no 1º turno

Desde a criação da reeleição para cargos Executivos, apenas Marconi foi reconduzido ao cargo no Estado

Postado em: 18-08-2022 às 08h04
Por: Francisco Costa
O ex-governador Marconi Perillo (PSDB) foi o único reconduzido ao cargo até o momento | Foto: Reprodução/ Redes

O governador Ronaldo Caiado (União Brasil) pode ser o segundo gestor reeleito, caso tenha sucesso no pleito deste ano. O ex-governador Marconi Perillo (PSDB) foi o único reconduzido ao cargo até o momento.

Destaca-se, a reeleição no Brasil é algo recente para cargos executivos no Brasil. Ela surgiu em 1997, com o presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), que já fez uso dela no ano seguinte e conseguiu permanecer por mais quatro ano anos no poder. 

Em Goiás, o então governador Maguito Vilela (MDB) optou por não disputar a reeleição, mas o Senado em 1998. Naquele ano, Marconi Perillo conquistou pela primeira vez o cargo de chefe do Executivo no Estado. O tucano venceu o ex-governador Iris Rezende (MDB) em segundo turno com 53,28% dos votos válidos contra 46,71% do emedebista. 

Continua após a publicidade

Já em 2002, Marconi se reelegeu ainda no primeiro turno. Foram 51,21% contra 32,79% do segundo colocado, o ex-governador Maguito Vilela. Marina Sant’anna (PT) terminou em terceiro, com 15,17%.

O tucano não pôde disputar novo pleito ao Palácio das Esmeraldas em 2006, mas fez sucessor. O vice Alcides Rodrigues (à época no PP, hoje no Patriota) venceu Maguito Vilela no segundo turno com 57,14% a 42,86% dos votos válidos. 

Em 2010, todavia, Perillo retornou para polarizar mais uma vez com Iris Rezende. Novamente, o tucano venceu o emedebista no segundo turno: 52,99% a 47,01%. 

Da mesma forma, a disputa entre os dois adversários se repetiu. Marconi garantiu outra reeleição e ampliou o percentual. O resultado, também em segundo turno, foi 57,44% a 42,56%. Foi a última vez que Iris tentou o governo de Goiás. 

O último pleito ao Palácios das Esmeraldas ocorreu em 2018. O governador Ronaldo Caiado garantiu a cadeira com 59,73% dos votos válidos contra 16,14% de Daniel Vilela (MDB), hoje vice do atual mandatário na disputa. 

Naquele momento, Marconi não conseguiu emplacar o vice dele – que estava governador – José Eliton (à época no PSDB, hoje no PSB). O gestor terminou em terceiro lugar com 13,73%. Agora, em 2022, Caiado tem a chance de ser o segundo mandatário a se reeleger em Goiás, conforme indicam as pesquisas. 

Pesquisa

Vale citar, o último levantamento do Instituto de Pesquisa de Opinião e Mercado FoxMappin, do grupo O HOJE (28/7) o governador Ronaldo Caiado na dianteira com 34,1% das intenções de voto. Em segundo lugar, Gustavo Mendanha, com 23%, e Vitor Hugo (PL) com 14,3%.

Como o ex-governador Marconi Perillo (PSDB) ainda não tinha definido disputa ao Senado, ele ainda aparecia com 8,8% das intenções de voto. Depois, com 4,8%, Cíntia Dias (Psol); e Wolmir Amado (PT) com 2,93%. Por fim, 0,20% depositaram a confiança em Edigar Diniz. Do total, 9,07% dos entrevistados não souberam responder ou preferiram não opinar. 2,24% disseram que vão votar branco ou nulo. 

A pesquisa do Instituto FoxMappin foi realizada entre os dias 18 e 22 de julho. Para aferição dos resultados foram entrevistadas 1.025 pessoas residentes em Goiás e maiores de 16 anos. O levantamento foi realizado por meio de entrevistas pessoais, telefônicas e com formulários digitais enviados a grupos segmentados. Ao todo, 110 municípios goianos foram consultados. A taxa de confiança dos números é de 95%. A margem de erro é de 3% para mais ou menos. 

A maior fatia dos entrevistados pelo FoxMappin possui de 40 a 59 anos (44,2%). Na sequência aparecem os eleitores com idade entre 25 e 39 anos (36,4%). De 16 a 24 anos foram 11,3% dos entrevistados. Com mais de 60, 7,9%. Quanto à escolaridade, a maior fatia (41,7%) possui ensino superior completo. 24,3% possuem ensino médio completo e outros 13,8% declararam superior incompleto quando questionados. Médio incompleto soma 7,1% dos entrevistados. Na sequência aparecem fundamental completo (6%) e fundamental incompleto (4,9%). Declarados analfabetos foram 0,4% e 1,3% disseram ler e escrever. A pesquisa está registrada no Tribunal Regional Eleitora (TRE-GO) sob n° GO-01212/2022.

Veja Também