24 de setembro de 2017 - domingo

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Economia
Agropecuária
16/05/2017 | 17h45
Goiás é o segundo estado que mais gerou empregos no País, aponta Caged
Dados do Caged mostram que o Estado teve um saldo de 25 mil vagas formais no primeiro quadrimestre, abaixo apenas de São Paulo

Dados divulgados nesta terça-feira (16) pelo Ministério do Trabalho indicam que Goiás teve o segundo melhor saldo de empregos do País, atrás apenas de São Paulo, em número absoluto. De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), foram 198.828 admissões no primeiro quadrimestre de 2017, o que resultou em um saldo positivo de 25.421 vagas com carteira assinada no período.


 O Caged aponta que a agropecuária foi o setor que mais contribuiu com o resultado positivo goiano. De janeiro a abril, o setor teve saldo positivo de 9.507 empregos formais. Em segundo lugar, vem o setor de serviços, com saldo positivo de 8.049. A terceira atividade econômica que mais impulsionou o mercado de trabalho no Estado foi a indústria de transformação (6.635 mil vagas), com destaque para a indústria farmacêutica e veterinária, com 3.599 vagas. A indústria de produtos alimentício, bebidas e álcool também contribuiu fortemente, com saldo positivo de 2.343 empregos formais no período.


Abril


 Quando o recorte é apenas o mês de abril, também observa-se um significativo desempenho da economia goiana. Neste mês, Goiás atingiu um saldo positivo de 7.170 postos de trabalho com carteira assinada, o quarto melhor do País, atrás, em número absolutos, de São Paulo, Minas Gerais e Bahia.

Em abril, a indústria de transformação foi a campeã de geração de empregos no Estado, com saldo de 2.489 postos de trabalho. Logo em seguida, vem a pecuária (2.232 vagas), a construção civil (1.632 vagas) e o setor de serviços (1.171), de acordo com os dados do Caged.


 Entre os municípios com mais de 30 mil habitantes, os maiores geradores de emprego em abril foram Goianésia (1.408), Formosa (1.395), Morrinhos (578) e Aparecida de Goiânia (456). “Esses municípios ilustram muito bem os setores que mais geram empregos em Goiás, pois têm forte presença na indústria de transformação e na agropecuária”, explica superintendente do Instituto Mauro Borges, Lillian Prado. Goianésia e Formosa, inclusive, ficaram em sexto e sétimo no ranking nacional de empregos em abril.


 Os dados de geração de emprego reforçam o momento positivo da economia goiana. Na semana passada, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que Goiás liderou o crescimento da produção industrial no País, com 8% na comparação entre março de 2017 e março de 2017. No acumulado do primeiro trimestre, o crescimento é de 6,6% em relação ao mesmo período do ano passado, o que garantiu a Goiás também o primeiro lugar nacional.


Brasil


 O levantamento do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados foi divulgado nesta terça-feira (16/5) pelo ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira. Em abril, o Brasil teve saldo de 59.856 vagas de emprego formal, o primeiro resultado positivo para o mês desde 2014.

  

Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)