Domingo, 31 de maio de 2020
GOIÂNIA-GO
{{tempo.temperatura}}°

Economia

Novas estimativas agora sugerem dois anos de recessão para o País

Postado em: 31-03-2020 às 06h00
O comportamento da economia brasileira no curto e médio prazo dependerá da capacidade de coordenação do governo federal - Foto: Divulgação

Lauro Veiga

O comportamento da economia brasileira no curto e médio prazo dependerá da capacidade de coordenação do governo federal, da extensão e amplitude das medidas de socorro, com uso massivo de recursos fiscais, e expressamente da disposição da equipe econômica de abandonar os dogmas fiscais que amarram decisões nesta área. Descontados, obviamente, fatores que estão além do controle dos governos e que poderão alterar radicalmente os prognósticos já desenhados para a atividade econômica nos próximos meses e ainda em 2021 – aliás como já vem ocorrendo desde o começo da pandemia, com instituições multilaterais e centros de pesquisas econômicas alterando rapidamente suas estimativas, invariavelmente para pior.

Salvo alterações pressentidas, mas ainda não totalmente evidentes, o Banco Fator foi mais um a revisar suas projeções para 2020 e 2021. Na visão do banco, em seu cenário intermediário, o Produto Interno Bruto (PIB) tende a cair 3,1% neste ano, diante de um recuo modesto de 0,48% aguardado pelo mercado financeiro em conjunto, segundo o relatório Focus do Banco Central (BC). Ainda conforme assinala o Fator, em relatório distribuído ontem e assinado por seu economista chefe, José Francisco de Lima Gonçalves, a recessão deverá se alongar até 2021, com nova queda do produto, agora na faixa de 1,8%.

Na avaliação de Gonçalves, “a reação do governo federal tem sido tímida e contraditória. A coordenação dos esforços com Estados e municípios não vai bem. Programas de emergência via gasto público são indispensáveis para minimizar os riscos de ruptura do tecido social e de interrupção do circuito econômico e financeiro”.Em outras palavras, o uso intensivo de recursos fiscais, ainda que isso exija uma combinação de maior emissão de moedas e maior endividamento (palavrões para a ortodoxia ultraliberal instalada no Planalto), poderá ainda evitar uma deterioração mais severa das condições econômicas e sociais.

Gonçalves recorre ao exemplo da Alemanha, que anunciou um pacote equivalente a 20% do PIB durante a recente reunião dos líderes dos países que formam o G20. “O pacote fiscal alemão bem que poderia ser um exemplo para governos mais amedrontados do que o mandato exige”, comenta. Transposto para a realidade brasileira, aquele percentual corresponderia a algo em torno de R$ 1,5 trilhão ou duas vezes os valores que o superministro Paulo Guedes tem alardeado.

Muito barulho

Ao falar para o mercado financeiro, na semana passada, Guedes chegou a estimar uma ajuda da ordem de R$ 728,0 bilhões, o que poderá ainda atingir R$ 750,0 bilhões a considerar a inclusão dos municípios na proposta de renegociação das dívidas dos governos regionais. No entanto, pouco mais de um quarto daqueles recursos, qualquer coisa próxima a R$ 200,0 bilhões, lembra Gonçalves, correspondem à entrada na economia de recursos verdadeiramente novos. Boa parte das medidas limita-se a antecipar despesas que já iriam ocorrer mais adiante, renegociação de dívidas e empréstimos.

Balanço

·   Na visão de Gonçalves, o governo e sua equipe econômica parecem relutar em realizar uma política fiscal de fato “contracíclica” (ou seja, que atue como estímulo para a economia num momento de emergência) e a abandonar as restrições que têm determinado extrema timidez no enfrentamento da crise.

·   O momento, lembra ele, citando o então presidente do Banco Central Europeu, Mario Draghi, de fazer o que for preciso (“do whatever it takes”) para combater a pandemia e seus efeitos. “A política monetária, nos marcos atuais, é a que tenta ajudar o crédito, tarefa inglória em situação de crise de liquidez pronunciada e global”, sustenta Gonçalves.

·   Obviamente, isso não significa relaxar nas medidas de isolamento e de restrição a aglomerações e à circulação de pessoas como forma de conter o contágio em nome de uma enganosa preservação da atividade econômica. Exatamente por isso, a atuação coordenada dos governos, sob a liderança (hoje inexistente) do governo central, ganha importância fundamental.

·   O economista chefe do Fator elogia o que considera como “competentes medidas” adotadas pelo BC, que anunciou uma injeção de R$ 1,2 trilhão no mercado financeiro para reforçar a liquidez do setor e coordenou um pacote (modesto) de ajuda financeira a pequenas e médias empresas, em parceira com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e da Caixa. Mas ressalva: “Medidas ligadas ao crédito têm efeito muito limitado em situação de elevada incerteza”.

·   “O caminho para recuperar efetividade da política monetária é a criação de oportunidades de investimento, de gasto de capital com rentabilidade acima da inflação – que é baixa – e risco passível de mitigação pelo Estado”, acrescenta Gonçalves. Isso exigiria a retomada dos investimentos públicos em projetos mais simples no setor de infraestrutura (e, portanto, de realização mais rápida) e ainda uma atuação orquestrada dos bancos públicos em “programas emergenciais e de médio prazo para viabilização do horizonte de investimentos privados”. Até onde a vista alcança, no entanto, nenhuma dessas alternativas parece fazer parte do cardápio do superministro e de sua equipe.

Seja o primeiro a comentar

Fazer comentário

Acesse sua conta para comentar, é rápido e gratuito.

Inscreva-se na newsletter e receba

conteúdo exclusivo

Digite aqui o que deseja pesquisar