Placas de alumínio do Viaduto na T-63 podem ter facilitado propagação de chamas? Entenda

Após incêndio registrado no Viaduto da Avenida T-63, na manhã de hoje (15/7), por volta das 5h e 40min, a Prefeitura de Goiânia sinalizou que irá rever as instalações das placas de alumínio composto (ACM) do local.

Postado em: 15-07-2022 às 16h03
Por: Ana Bárbara Quêtto
A Prefeitura revelou, nesta sexta-feira (15/7), que há um projeto que propõe a retirada das placas de alumínio, por artes urbanas | Foto: Reprodução/TV Anhanguera

Após incêndio registrado no Viaduto da Avenida T-63, na manhã de hoje (15/7), por volta das 5h e 40min, a Prefeitura de Goiânia sinalizou que irá rever as instalações das placas de alumínio composto (ACM) do local.

Segundo o coordenador da Câmara de Engenharia Civil do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Goiás (Crea-GO), Ricardo Barbosa Ferreira, o Paço Municipal determinou a retirada das chapas de alumínio nas avenidas T-63 e 85.

Para Ricardo, há possibilidade de que as placas tenham sido responsáveis pelo aumento da propagação das chamas. “Ele não contribui do ponto de vista da segurança, atrapalha a durabilidade e a funcionalidade fica comprometida”, ressalta.

Continua após a publicidade

O Crea explica que uma estrutura, como o Viaduto João Alves de Queiroz, necessita de três requisitos fundamentais: segurança, durabilidade e funcionalidade. Mas, de acordo com o órgão, as placas de alumínio não são indicadas por interferir nessas áreas.

“O ACM nesse tipo de estrutura afeta a segurança. É recorrente a quebra das placas que, ao atingirem um pedestre, um motociclista, podem trazer consequências muito graves”, avalia o conselheiro.

“No caso de um incêndio, é um sanduíche que tem plástico, se constitui material combustível e propaga chamas. Afeta a funcionalidade porque impede a visualização da estrutura real. Isso atrapalha a inspeção do profissional técnico”, afirma.

A Prefeitura revelou, nesta sexta-feira (15/7), que há um projeto que propõe a retirada das placas de alumínio, por artes urbanas. “Antes do incidente, nós já tínhamos placas caindo, com o vento ou até mesmo a trepidação do trânsito. Já era projeto nosso a retirada”, disse o prefeito, Rogério Cruz (Republicanos).

Leia também: Estrutura do viaduto da T-63 com 85 não está comprometido e placas metálicas serão trocadas, segundo prefeito de Goiânia

Veja as rotas que estão liberadas:

Até a conclusão da vistoria, que deve ficar pronta até o fina de semana, os motoristas deverão encontrar novas rotas. Como medida de segurança, o trânsito na parte de cima do viaduto foi totalmente interditado. Assim como a parte inferior.

No entanto, para quem desce a Avenida 85 (no sentido Serrinha-Centro) ou na T-63 (sentido Pedro Ludovico e Praça da Nova Suíça) o tráfego flui normalmente.

O secretário municipal de Mobilidade, Horácio Mello, explicou que a população deve se orientar por meio do aplicativo de rotas ‘Waze’. “O Waze está avisado disso e é importante que as pessoas usem esses aplicativos de direcionamento, porque ele vai indicar os caminhos alternativos”.

Leia também: Com atrasos, Prefeitura inaugura Viaduto Iris Rezende e prevê fluxo mensal de 150 mil veículos

Veja Também