Polícia Federal faz operação contra obtenção ilegal de registro no Exército para atiradores e caçadores

A suspeita é de que os registros estariam sendo feitos com documentos falsos

Postado em: 23-09-2022 às 11h27
Por: Mariana Fernandes
A polícia federal explicou que o grupo suspeito pode responder pelos crimes de falsificação | Foto: Reprodução/ Ibesp

Nesta sexta-feira, 23, a Polícia Federal (PF) deflagrou a Operação Registro Armado contra a fraude na obtenção do certificado de registro (CR) para atiradores caçadores, por despachantes com atuação no Exército Brasileiro. De acordo com a corporação, estão sendo cumpridos cinco mandados judiciais de busca e apreensão em Goiânia.  

Na primeira etapa da operação, cerca de 30 policiais atuam para localizar provas como computadores, celulares e documentos. A suspeita é de que os registros estariam sendo feitos com documentos falsos, levando o exército ao erro.  

A polícia federal explicou que o grupo suspeito pode responder pelos crimes de falsificação, uso de documentos falsos e formação de quadrilha. A pena pode alcançar 13 anos de reclusão, em caso de condenação.

Veja Também