De nudes a nazismo: 7 escândalos da família real que Elizabeth 2ª acalmou em 70 anos de coroa

Em sete décadas de reinado, a rainha passou por muitas crises e desafios para proteger a imagem da família real

Postado em: 07-02-2022 às 11h09
Por: Alexandre Paes
Em sete décadas de reinado, a rainha passou por muitas crises e desafios para proteger a imagem da família real | Foto: Reprodução

Elizabeth 2ª completou no último domingo (6/2) 70 anos como rainha. Atualmente com 95 anos de idade, ela se tornou a rainha do Reino Unido e de mais uma série de domínios, incluindo Canadá, Austrália e Nova Zelândia aos 25, após a morte de seu pai, o rei George VI, no dia 6 de fevereiro de 1952.

Elizabeth 2ª virou rainha enquanto estava no Quênia em uma turnê internacional. As notícias foram passadas a ela por seu marido, o príncipe Philip, que morreu no ano passado aos 99 anos, após mais de sete décadas a seu lado.

Em sete décadas de reinado, a rainha Elizabeth 2ª passou por muitas crises e desafios para proteger a imagem da família real. Confira agora os sete momentos polêmicos que enfrentados durante esse período:

Continua após a publicidade

7 – A rainha que não chora

A postura de Elizabeth 2ª no desastre de Aberfan, em 1966, deixou a rainha marcada como uma pessoa fria, apesar de ter sido um dos únicos momentos em que a monarca se permitiu ir às lágrimas, ainda que discretamente. Em 21 de outubro de 1966, 116 crianças e 28 adultos foram soterrados pela lama após um deslizamento de uma mina na cidade do País de Gales.

6 – Os “nudes” da família real

Elizabeth 2ª já teve de contornar situações desconfortáveis em que integrantes da família real apareceram sem roupa. O primeiro deles data dos anos 1970, quando a sua irmã, a Princesa Margaret, teria sido fotografada nua pelo então marido, o fotógrafo Antony Armstrong Jones.

As fotos estariam armazenadas nos cofres do banco londrino Lloyds Bank, que sofreu um assalto e teve seus cofres arrombados. As fotos estariam entre os objetos que sumiram da agência e até hoje não se sabe como a rainha fez para evitar que elas vazassem, já que as imagens nunca foram divulgadas.

5 – Puladas de cerca de Philip

Outro assunto incômodo que ronda a monarca desde antes de seu casamento com Philip são as supostas traições do Príncipe, que morreu no ano passado, aos 99 anos. O primeiro boato data de 1948, quando o Duque de Edimburgo teria se encontrado com a dançarina Patricia Kirkwood em seu camarim e saído para jantar com a mulher.

4 – Princesa Diana

Em 1995, quando já estava fisicamente separada do marido, a princesa concedeu uma entrevista à BBC sem a permissão da família real onde expôs que a família do marido não gostava dela e que não via Charles assumindo o trono, já que ele considerava isso um fardo. Furiosa, a rainha escreveu uma carta para a nora dizendo que aceitava o divórcio. Até hoje teorias nunca comprovadas tentam ligar a família real à morte de Diana.

3 – Nazismo

Políticos, líderes de instituições judaicas, especialistas em família real e até escritores criticaram a atitude de Harry. A polêmica foto de Harry foi publicada pelo tabloide “The Sun”, o jornal mais vendido do Reino Unido. A suástica no braço de Harry, na época com 20 anos e terceiro na linha de sucessão ao trono, não foi o único caso que ligou a família aos nazistas.

2 – Saída de Harry e Meghan da família

Em março do ano passado, o casal deu uma entrevista bombástica a Oprah Winfrey. Na conversa, Harry e Meghan fizeram revelações que mexeram com o Palácio de Buckingham, a imprensa britânica e, até mesmo, com a política do Reino Unido.

Meghan contou que um integrante da realeza discutiu sobre o tom de pele de Archie, que queria ajuda psicológica e seu pedido foi negado. Harry mostrou medo da história com a mãe, a princesa Diana, se repetir, e disse que a relação com o pai, o príncipe Charles, está cortada.

1 – Príncipe Andrew perde os títulos reais

A última bomba da família real envolve o Príncipe Andrew, terceiro filho da rainha e considerado o favorito dela. Em janeiro, o príncipe perdeu seus títulos militares e não poderá mais ser considerado “alteza real”. A decisão veio após a Justiça dos EUA negar o arquivamento de uma denúncia por abuso sexual.

Os primeiros sinais de afastamento de Elizabeth e Andrew surgiram em 2019, ano em ele abandonou as funções públicas dias após dar uma entrevista falando sobre a amizade com Jeffrey Epstein, preso após ser acusado de explorar menores sexualmente.

Veja Também