22 de setembro de 2018 - sábado

Euro R$ {{cotacao.valores.EUR.valor| number:3}}    Dólar R$ {{cotacao.valores.USD.valor | number:3}}
{{tempo.cidade}}
{{tempo.previsoes[0].temperatura_min}}° MIN {{tempo.previsoes[0].temperatura_max}}° MÁX
Economia
Índice
08/03/2018 | 16h45
Alimentação e habitação puxam inflação para baixo em Goiânia
Com a queda dos alimentos, o custo da cesta básica para o trabalhador goianiense, que ganha um salário mínimo mensal (R$ 954,00), ficou menor em fevereiro na comparação com janeiro, e custou R$ 294,78

O Índice de Preços ao Consumidor teve variação de 0,08% em fevereiro, abaixo da variação de 0,21% registrada em janeiro. Segundo relatório do Instituto Mauro Borges (IMB), da Secretaria de Gestão e Planejamento (Segplan), o índice do mês de fevereiro, apesar de positivo, desacelerou devido à descompressão dos preços de vários produtos e serviços dos grupos: alimentação (-0,12%) e habitação (-1,74%) que tiveram forte influência sobre o resultado. 

A energia elétrica (-6,35%) e o gás de cozinha (-0,68%) impactaram o grupo habitação, enquanto na alimentação os preços dos alimentos para consumo das famílias no domicílio tiveram queda média de -0,87%. Dos 205 produtos/serviços pesquisados mensalmente, 70 apresentaram elevação, 34 ficaram estáveis e 101 tiveram variação negativa.

A inflação acumulada dos últimos doze meses foi de 4,16%, ficando acima dos 3,89% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. No ano, o índice acumula taxa de 0,29%. Em fevereiro de 2017 o índice ficou em -0,98%, de acordo com os dados do Instituto Mauro Borges, da Secretaria de Gestão e Planejamento (Segplan).

Com o início das aulas, passados os reajustes de mensalidades, compra de materiais e uniformes escolares, o grupo educação caiu de 9,03%, registrado em janeiro, para 0,26% no mês passado.

A habitação ficou mais barata com queda nos preços da energia elétrica (-6,35%), gás de cozinha (-0,68%); sabão em barra (-4,97%), sabão em pó (-3,59%), esponja de aço (-3,60%) e desinfetante (-3,14%).

O grupo alimentação (-0,12%) também contribuiu para segurar a inflação de Goiânia, no mês passado. Tiveram quedas as cotações do arroz (-1,29%), feijão carioca (-2,32%); carne bovina: coxão duro (-4,78%), contra filé (-2,10%); frango (-3,93%); pernil suíno (-1,30%); cenoura (-16,39%), tomate (-4,17%), abobrinha (-2,87%), alho (-2,29%), alface (-1,33%); açúcar (-4,21%), sorvete (-2,40%); maçã (-5,39%), banana prata (-3,94%); café moído (-2,05%); macarrão (-2,72%); margarina vegetal (-1,15%), óleo de soja (-4,17%); queijo mussarela (-2,40%); refrigerante 2l (-2,40%) e sal refinado (-4,17%).

Além de alimentação e transporte, os grupos que mais contribuíram para manter o índice geral positivo foram: transportes (2,58%) e saúde e cuidados pessoais (0,47%), com destaques para a passagem de ônibus urbano (índice residual de 5,82%), tratamento dentário (9,59%) e exames de laboratório (4,33%). Os demais grupos de despesas que ajudaram a confirmar o resultado positivo deste mês foram: vestuário (0,22%), educação (0,26%), despesas pessoais (0,15%), além de artigos residenciais (0,12%). O grupo comunicação permaneceu estável com variação de preços nula (0,00%) nos itens pesquisados.

Cesta básica

Com a queda dos alimentos, o custo da cesta básica para o trabalhador goianiense, que ganha um salário mínimo mensal (R$ 954,00), ficou menor em fevereiro na comparação com janeiro, e custou R$ 294,78.

Dos 12 itens da cesta básica, nove tiveram redução de preço. Destaque para as frutas, que caíram de 9,20% em janeiro para -3,09% em fevereiro; hortaliças e legumes tiveram queda de 1,66% para -1,63% na cesta básica.

 
Tópicos:

Comentário

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.
(62) 3095-8700 / 3095-8722 (dp. comercial)