Média de voos em Goiânia não se recuperou e está abaixo de antes da pandemia

Passagens aéreas subiram 56,81% em 12 meses

Postado em: 23-10-2021 às 11h33
Por: Maiara Dal Bosco
Passagens aéreas subiram 56,81% em 12 meses | Foto: Reprodução

Mesmo passado o período mais crítico da pandemia de Covid-19, o Aeroporto Internacional de Goiânia Santa Genoveva ainda opera uma média diária de voos comerciais inferior ao registrado antes do início da pandemia. Atualmente, dados da Infraero apontam que o Aeroporto da Capital está operando com uma média diária de 30 chegadas e de 30 partidas de voos regulares comerciais. Em janeiro de 2020, o terminal operava com uma média de 40 chegadas e 40 partidas diárias.

Para se ter uma ideia, em abril do ano passado, primeiro mês após o início da pandemia, o Aeroporto chegou a operar com somente oito voos diários. Já no mês de dezembro, o terminal computou média de 26 chegadas e 26 partidas.

Preço das passagens 

Continua após a publicidade

Neste cenário, mesmo que os dados e o avanço da vacinação indiquem uma retomada gradual da atividade aérea dos voos domésticos, quem estiver planejando viajar pelos próximos meses encontrará pela frente passagens com preços mais salgados. Isso porque conforme divulgou nas últimas semanas o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) dados da inflação acumulada nos últimos 12 meses mostram um aumento de 56,81% no preço das passagens aéreas.

De acordo com o IBGE, este aumento ficou atrás apenas de quatro itens, três deles do grupo de alimentos, além do etanol. O Instituto aponta ainda que a diferença é considerável se comparada ao índice geral da inflação acumulada de 12 meses, que ficou 10,25%, o maior desde fevereiro de 2016.

Internacionalização

Concluído em agosto do ano passado, o processo de internacionalização do Aeroporto Internacional de Goiânia autoriza, desde então, que o terminal processe operações internacionais para os serviços aéreos públicos regulares e não regulares, incluindo táxi aéreo e aviação geral, e voos cargueiros de operadores que queiram ter a capital goiana como destino.

À ocasião, a Infraero informou que, com a liberação para receber voos internacionais, segue atuando em conjunto com os poderes públicos locais, representantes da economia da região e empresas aéreas para buscar a retomada dos voos em Goiânia e a abertura de novas operações para o exterior. 

À reportagem, a Infraero explicou ainda que o terminal ainda não conta com rotas internacionais de aviação regular, a depender de estratégias de mercado das empresas aéreas interessadas. Entretanto, informou que já foram realizados voos internacionais de aviação geral, fretamentos e aeromédicos. No total, 73 voos foram realizados para outros países, entre 2020 e 2021. (Especial para O Hoje)

Governo formaliza concessão 

Por meio do Ministério da Infraestrutura (MInfra) e da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o Governo Federal formalizou na última quarta-feira (20) a assinatura de contrato com o grupo CCR, empresa que administrará o Aeroporto Santa Genoveva, em Goiânia (GO), e outros cinco terminais do Bloco Central leiloados na 6ª rodada de concessões aeroportuárias. 

Promovido em abril na B3, durante a Infra Week, o leilão assegurou R$ 1,8 bilhão em investimentos nesse lote. O lance vencedor do Grupo CCR representou ágil de 9.156% em relação aos lances mínimos estipulados. Com o contrato, a União dá início à transferência do controle dos aeroportos de Goiânia, Palmas (TO), São Luís (MA), Imperatriz (MA), Teresina (PI) e Petrolina (PE), hoje administrados pela Infraero. Os seis terminais aéreos serão concedidos à iniciativa privada por um período de 30 anos. 

Ao todo, 22 aeroportos foram leiloados na 6ª rodada de concessões, agrupados em três blocos: Central, Norte e Sul. Com isso, ficaram garantidos os R$ 6,1 bilhões investimentos previstos. A arrecadação total em outorgas chegou a R$ 3,3 bilhões.

Veja Também