Sábado, 03 de junho de 2023

Homem é preso suspeito de inativar tornozeleira eletrônica e invadir casa de ex-mulher, em Goiânia

O caso ocorreu na última segunda-feira (17/10), no Setor Vila Nova

Postado em: 20-10-2022 às 16h13
Por: Ana Bárbara Quêtto
O caso ocorreu na última segunda-feira (17/10), no Setor Vila Nova | Foto: Divulgação

Um homem de 40 anos, suspeito de inativar sua tornozeleira eletrônica para invadir a casa da ex-mulher, 38, foi preso em Goiânia. De acordo com a Guarda Civil Metropolitana (GCM), o ex-marido usa o equipamento por ter agredido a vítima anteriormente e ela ter pedido medida protetiva.

A Diretoria-Geral de Administração Penitenciária (DGAP) informou ao G1 que, se a tornozeleira estiver descarregada, o monitorado deve responder por uma falta grave. Também foi informado que o aparelho estava funcionando, mas, como a mulher não estava com o botão de pânico, não foi possível monitorar a proximidade do suspeito.

O caso ocorreu na última segunda-feira (17/10), no Setor Vila Nova. Segundo o comandante da CGM, Vagner Rodrigues, o suspeito não estava armado. No entanto, a ex-mulher contou que ele foi até a casa com intenção de matá-la. Uma amiga da vítima, que estava no local junto ao filho de 15 anos, pediram ajuda.

Continua após a publicidade

Leia também: Corpo é encontrado dentro de carro queimado em canavial

“Estava sendo monitorado justamente por violência contra a ex-mulher. Não poderia chegar a menos de 300 metros dela. No dia do crime, ele desativou a tornozeleira e tentou invadir a casa dela. No momento que ele tentou agredi-la, o adolescente interviu e acabou impedindo que uma tragédia acontecesse”, disse Vagner ao G1.

O jovem chegou a entrar em luta corporal com o monitorado, o que ocasionou ferimentos leves no adolescente. Já as mulheres, não ficaram feridas. Os policiais afirmaram que o homem pode ter usado alguma ferramenta para inativar a tornozeleira, ou, apenas, não ter a carregado.

Ainda conforme a GCM, o homem foi encaminhado à Delegacia Especializada no Atendimento à Mulher (Deam), onde ficou preso. Ele já possui outras passagens pela polícia por crimes de violência doméstica.

Leia também: Lei que dá nome de Marília Mendonça ao Mercado Popular da 74 é sancionada

Veja Também