Goiânia terá câmeras com reconhecimento facial

Postado em: 15-06-2019 às 06h00
Por: Sheyla Sousa
R$ 150 milhões serão destinados para compra dos equipamentos que serão implantados em pontos estratégicos da cidade

Higor Santana*

Após aprovação da Câmara Municipal de um empréstimo de R$ 780 milhões junto à Caixa Econômica Federal, o município irá utilizar R$ 150 milhões para a implantação de câmeras inteligentes com reconhecimento facial e controle de placas de veículos no projeto ‘SmartCity’. Com isso, por meio do Centro de Gestão Integrada (CGI), a prefeitura passará a monitorar a cidade bem como órgãos da administração pública.

De acordo com o secretário de Finanças, Alessandro Melo, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) doou o projeto para o município para a viabilização desse recurso tecnológico em Goiânia. Além disso, o secretário informou que há a necessidade da liberação dos recursos para o projeto começar a ser implantado. “Vamos dar o pontapé inicial implantando a primeira etapa com as câmeras inteligentes com reconhecimento facial e controle de placas de veículos em estacionamentos”, adiantou.

De acordo com a prefeitura, o projeto SmartCity, ou cidade inteligente, deve contribuir  com a segurança pública e trânsito. Dividido em Centro de Operações, Sala de Imprensa e Sala de Situação, o CGI recebe todas as informações repassadas pelas câmeras e sensores instalados em pontos estratégicos da cidade, permitindo o acompanhamento em tempo real do que acontece nas ruas, órgãos e prédios públicos da Capital. 

Os eixos principais dessa integração são a segurança, trânsito, transporte e meio ambiente e gestão de resultados, que visam a prevenção da criminalidade, informações do transporte coletivo, controle de trânsito, como semafórico e de infrações, e prevenção de desastres naturais. Além da análise e controle das ações da administração.

Ainda segundo a prefeitura, a estratégia definida pelo projeto é coletar os dados por meio da tecnologia das câmeras e sensores, transmitir e armazenar esses dados em uma grande central instalada na estrutura do Paço Municipal e, num segundo momento, processar e analisar as informações, desencadeando as devidas tomadas de decisões. Tudo isso, segundo a prefeitura, é feito simultaneamente, o que possibilita dar agilidade às tomadas de decisões, evitando, por exemplo, congestionamento no trânsito, alagamentos e prevenir crimes ou, na pior das hipóteses, permitir que criminosos sejam identificados e presos.

 Infraestrutura também receberá investimentos

O secretário de Finanças Alessandro Melo esclareceu que além de custear projetos de modernização tecnológica, o empréstimo junto à Caixa tem o objetivo de recuperar o sistema de mobilidade urbana empregando R$ 400 milhões no recapeamento de 630 quilômetros de vias em diversos bairros da Capital. 

Do restante, R$ 50 milhões serão utilizados para aquisição de caminhões para a limpeza urbana, R$ 30 milhões para a construção do viaduto na Marginal Botafogo com a Jamel Cecílio e R$ 14 milhões para a obra na Avenida 136 com a 2ª Radial. A prefeitura destinará ainda R$ 44 milhões para pavimentar os Residenciais Antônio Barbosa, Della Pena, Paulo Pacheco I e II, Monte Pascoal, Park Solar e London Park. Além desses, haverá criação de praças e construção de pontes.

Outra questão levantada foi com relação à destinação de mais recursos para recapeamento de asfalto em bairros mais antigos e menos para pavimentação de bairros sem asfalto. “O prefeito Iris pretende asfaltar todos os novos bairros, mas vai utilizar recursos próprios do Tesouro Municipal e o empréstimo será somente para esses seis indicados”, garantiu o secretário.

Alessandro ainda justificou que a prefeitura vai economizar cerca de R$ 188 milhões fazendo empréstimo junto a um banco brasileiro, em real, ao contrário dos empréstimos já realizados pela gestão anterior, cotados em dólares com o Banco Andino e o Banco Credit Suisse. (Higor Santana é estagiário do Jornal O Hoje sob orientação do editor de cidades Rhudy Crysthian)

  

Compartilhe: