Acusado de conduzir moto em assalto já teve câncer cerebral e não consegue “nem andar de bicicleta”, diz mãe

Postado em: 04-04-2022 às 11h13
Por: Ícaro Gonçalves
Jorge foi preso no dia 15 de fevereiro acusado de roubo qualificado pilotando uma moto, mas segundo sua família, o quadro de saúde do rapaz o impediria de pilotar até uma bicicleta | Foto: Reprodução

A carioca Eliane Campos tem vivido momentos de desespero após seu filho, Jorge Luís de Souza Filho, de 29 anos, ter sido preso e condenado a quase seis anos de prisão por acusações de roubo com uma moto em Itaboraí (RJ). Segundo os familiares do rapaz, Jorge já sofreu de câncer no cérebro, que lhe causou danos em sua capacidade de equilíbrio, o que o impede até de andar de bicicleta. “Então, como ele ia andar com uma moto e praticar esse assalto? Não tem como”, afirmou a mãe.

Jorge foi preso no dia 15 de fevereiro acusado de roubo qualificado, supostamente com uso de arma. Quando foi detido, ele tinha ido à 72ª DP (Neves), em São Gonçalo sem saber ao certo porque os policiais estavam à sua procura. Jorge foi então transferido para um presídio, de onde não saiu mais.

Após mais de um mês preso, a 1ª Vara Criminal de Itaboraí, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, assinou sentença considerando o rapaz culpado e condenando-o o rapaz a 5 anos e 10 meses de prisão por roubo qualificado. Em sua sentença, o juiz Daniel da Silva Fonseca afirma que as vítimas do crime “renovaram reconhecimento” de Jorge, feito na delegacia.

A mãe de Jorge e sua irmã, Ana Clara Campos, de 19 anos, contestaram o reconhecimento em entrevista feita ao portal G1. Segundo elas, a identificação foi feita em audiência por meio de videoconferência, com Jorge preso. Além disso, elas alegam que policiais teriam mostrado previamente uma foto do rapaz às vítimas.

História “mal contada”

O assalto pelo qual Jorge foi condenado ocorreu em maio do ano passado na Avenida Telles, no bairro Engenho Velho, em Itaboraí, mas Jorge e sua família moram em São Gonçalo, a cerca de 30 quilômetros do local do crime.

O criminoso que efetuou o assalto em uma moto. Porém, segundo sua irmã, Jorge padece de um histórico médico que o impede de ter equilíbrio e coordenação. Na única vez que Jorge tentou andar de bicicleta, ele acabou caindo. Para ela e a mãe, a dificuldade em se equilibrar impossibilitariam o rapaz de pilotar uma moto.

Laudos médicos também indicam que o rapaz tem a visão comprometida. Sendo capaz de enxergar apenas 20% do que poderia.

Acusação

Em nota, o Ministério Público, em nome da Promotoria de Investigação Penal de Itaboraí, informou que a denúncia contra Jorge foi “fundamentada na prova indiciária produzida pela Polícia Civil”. Segundo a promotoria, houve reconhecimento “formal e inequívoco do indiciado por ambas as vítimas, tendo sido tal reconhecimento corroborado por outras provas”.

Compartilhe: