Pastor Tupirani da Hora Lores é condenado a 18 anos de prisão

Segundo as investigações da Polícia Federal, o pastor produziu e publicou diversos vídeos com ataques a judeus e membros de outras religiões

Postado em: 01-07-2022 às 10h57
Por: Mariana Fernandes
Segundo as investigações da Polícia Federal, o pastor produziu e publicou diversos vídeos com ataques a judeus e membros de outras religiões | Foto: Reprodução

O pastor Tupirani da Hora Lores foi condenado após praticar e induzir a discriminação contra pessoas judaicas e israelitas, por meio de vídeos postados nas redes sociais. A sentença foi dita nesta quinta-feira (30), pela juíza Valéria Caldi Magalhães, da Justiça Federal, com pena de 18 anos e 6 meses de reclusão e 814 dias de multa.

Segundo as investigações da Polícia Federal, o pastor produziu e publicou diversos vídeos com ataques a judeus e membros de outras religiões. A notícia que embasou a operação, possuía  vídeos na sede da congregação, nas quais Tupirani pediu para que Deus massacrasse os judeus e os humilhasse, como na Segunda Guerra. 

Em outro trecho, o pastor também cobrou ações divinas contra os judeus e destacou a disputa de terrras no Estado de Israel . “Eles saíram às nações para compartilhas das suas heranças em benefício próprio, deitaram com as prostitutas, Senhor. Fizeram alianças, serviram ao mal e desejaram se alimentar com as bolotas e alfarrobas dos porcos, Deus”, constatou.

Continua após a publicidade

Tupirani que é lider da Igreja Pentecostal Geração Jesus Cristo, foi preso durante a Operação Rodésh, da Polícia Federal, em fevereiro. O pastor é conhecido por promover discursos de ódio e havia sido alvo da Operação Shalon, em março do ano passado.

O caso foi denunciado pela Federação Israelita do Estado do Rio de Janeiro (FIERJ). Para o advogado criminal da Confederação Israelita do Brasil, Ricardo Sidi, a sentença faz parte de uma luta histórica contra o antissemitismo.

Condenação

O pastor foi preso pela primeira vez em 2019. A condenação se deu por intolerância religiosa no país e pela indução de fiéis para o ato de xenofobia, homofobia e racismo. 

Veja Também