Festa Literária retorna com eventos presenciais e online em Pirenópolis

Centro Histórico de Pirenópolis abre suas portas para receber o evento cultural e abriga performances das mais diversas artes

Postado em: 23-09-2021 às 09h05
Por: Lanna Oliveira
Centro Histórico de Pirenópolis abre suas portas para receber o evento cultural e abriga performances das mais diversas artes | Foto: Reprodução

O circuito cultural do Estado volta acontecer, os eventos que ocorrem ao longo do ano buscam maneiras de chegar ao público. O formato online dominou durante a pandemia, mas agora já vislumbram possibilidades de maneira presencial. A Festa Literária de Pirenópolis optou por aliar os dois formatos, e de forma híbrida dá abertura a suas atividades nesta quinta-feira (23) e segue até sábado (25). O evento tem como objetivo repensar o momento atual por meio da leitura, de palestras e muita música.

A leitura sempre foi um caminho de reflexão, conhecimento, educação e socialização. E para reforçar esse papel que os livros desempenham, a Festa Literária de Pirenópolis traz como tema nesta edição ‘E o mundo não acabou’. A escolha do tema condutor deste ano busca promover uma reflexão sobre o momento atual da produção artística e das novas formas de convívio social. “É um título provocativo, para refletir sobre o papel da literatura nesse momento”, sugere o escritor e curador da festa, Maurício Melo Junior.

Nada melhor que o Centro Histórico de Pirenópolis para ser palco desse encontro de mentes pensantes. Um local que tem um papel importante na história do Estado, agora empresta todo seu valor para essa iniciativa. Realizada em formato híbrido, com ações presenciais e virtuais, a cidade goiana recebe mais de 80 atividades gratuitas, entre lançamentos de livros, oficinas, debates, conversas, saraus e apresentações musicais e teatrais, que reafirmam o vigor e a necessidade da arte para os novos tempos.

Continua após a publicidade

Os artistas, das mais diversas áreas, tiveram que se reinventar durante esse processo que o mundo ainda enfrenta. E de acordo com Maurício, o evento quer também valorizar essa força que se apresentou nesse momento e dar visibilidade para esses trabalhos. “O artista não ficou parado nesta pandemia. Muita gente se dedicou a escrever e a criar novos mecanismos de veiculação. Não podemos fazer tudo o que sonhamos, mas estamos, mais uma vez, trazendo um instante precioso para Pirenópolis”.

A festa promove lançamentos de livros de autoras e autores de várias localidades, e das mais variadas vertentes. Desde literatura infantil a musicalidade, com destaque especial à promoção das riquezas da região. Entre os convidados nacionais para o evento, estão o renomado escritor, psicólogo e professor Rossandro Klinjey, que apresentará a palestra-tema do evento ‘E o mundo não acabou’, e o cantor e compositor Toquinho, com um show de voz e violão em homenagem a Vinicius de Moraes.

Além disso, o evento reafirma seu compromisso com a sensibilização de novos públicos, conforme diz o prefeito de Pirenópolis, Nivaldo Melo: “Através das atividades estamos construindo uma rede literária oportunizando o acesso ao livro e à vivência com autores por meio de oficinas de formação e estímulo a leitura”. A décima primeira edição do evento será realizada de forma híbrida, com atividades presenciais e online, como forma de democratizar ainda mais a participação estudantil.

Por dentro da programação

Nesta quinta-feira (23) haverá itinerância virtual nas escolas da cidade e presencial para as escolas rurais. Mais de 5 mil crianças e jovens serão alcançadas como parte do esforço de sensibilização de novos públicos. “Como aguardamos o retorno da nossa Flipiri, os livros, o carisma dos autores, as oficinas com professores, as produções e recontos dos alunos. Serão dias de intensa programação e envolvimento das escolas urbanas e rurais, formando leitores e promotores da leitura”, comemora a secretária de Educação do município, Márcia Aurea.

Com o gradual avanço da vacinação contra a Covid-19, a edição presencial da Flipiri se faz possível, mas não abre mão de um controle de acesso reforçado ao evento, observando rigorosamente as regras sanitárias vigentes de prevenção à doença pandêmica. Deste modo, a ocupação de lugares será restrita dentro do permitido pela legislação local com relação ao número de pessoas, haverá medição de temperatura e será disponibilizado álcool em gel em todos os locais onde acontecerão as atividades.

As vagas, portanto, são limitadas e é necessário realizar inscrição prévia para participação em oficinas e palestras. Algumas atividades serão exclusivas para professores e alunos. Acompanhe no site flipiri.com.br as informações sobre disponibilidade de vagas e formas de inscrição. A realização também tem o apoio das Secretarias de Cultura de Pirenópolis, Secretarias de Educação e de Cultura do Estado de Goiás, Academia Pirenopolina de Letras, Artes e Múscia (Aplam), Radar, Saneago e pousadas Quinta Santa Bárbara e Villaê e Vinícola Assunção.

Homenagens Poéticas

Nesta edição, a Flipiri homenageia os poetas Afonso Félix de Sousa e Vinicius de Moraes. A escolha de celebrar Afonso Félix vem de sua enorme contribuição para as letras e a ausência de um reconhecimento à altura de sua obra. Contemporâneo de João Cabral de Melo Neto e integrante da terceira geração de modernistas da literatura nacional, Félix foi um poeta multipremiado e fundador da Associação Nacional de Escritores (ANE). Para celebrá-lo, a Flipiri realiza uma roda de conversa com autores da região.

A homenagem a Vinicius de Moraes vem por ocasião dos 40 anos da morte do saudoso compositor e escritor carioca, completos no ano passado. “Embora ele seja conhecido como poeta da paixão, ele era o poeta da esperança também”, justifica o curador. Vinicius deixou uma contribuição inigualável para a literatura e para a música brasileira a partir de seus sonetos, poemas e canções. Na noite de sexta-feira (24), durante a abertura oficial da Flipiri, as cerimonialistas Régia Diniz e Liduína Bartholo recitam poemas de ambos os homenageados. Na sequência, o cantor e compositor Toquinho apresenta o show em tributo ao seu antigo parceiro de composição e dos palcos. Poeta e violão encontram-se mais uma vez em forma de saudade para proclamar a esperança por dias melhores. No repertório, estão previstos clássicos da dupla como ‘Canto de Ossanha’, ‘Chega de Saudade’, ‘Insensatez’ e ‘Garota de Ipanema’. Literatura, teatro e música se unem para promover a cultura e para propagar mais do que o País tem a oferecer. Se deleite.

Veja Também