De pandemia para endemia: políticos goianos reagem sobre rebaixamento de status da covid

Em nota oficial, Ministério da Saúde confirmou que avalia a situação do vírus no país

Postado em: 04-03-2022 às 16h47
Por: Redação
Em nota oficial, Ministério da Saúde confirmou que avalia a situação do vírus no país | Foto: reprodução

Por Nathália Peres

O Presidente da República, Jair Bolsonaro, disse na última quinta-feira (03/03) que o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, analisa rebaixar a Covid-19 no Brasil para o status de endemia em postagem feita em rede social. Políticos goianos reagiram à publicação e se posicionam sobre a situação.

Para a Secretária Municipal de Direitos Humanos e Políticas Afirmativas de Goiânia e ex-vereadora pela capital, Cristina Lopes, mais conhecida como Dra. Cristina, normalizar o cenário epidemiológico se trata de um equívoco ao considerarmos os desdobramentos da crise sanitária e as estatísticas de mortes, somente em nosso país.

Continua após a publicidade

“Todo o planeta ainda sofre com as consequências socioeconômicas do maior desafio sanitário de nossa história recente. O melhor caminho seria pensarmos soluções ambientais a médio e longo prazo, a fim de evitar novas crises como esta”, destacou Dra. Cristina, que ainda ressaltou que a classificação partiria da Organização Mundial de Saúde, sendo assim, não caberia a nenhum governo tomar a decisão de forma unilateral.

Para o deputado federal por Goiás, major Vitor Hugo, é importante avançar nesse quesito, pois já temos mais de 70% da população com a segunda dose aplicada e cerca de 30%, imunizada com a terceira dose. Segundo o político, com o rebaixamento seria possível reduzir as medidas restritivas para retomada da economia com mais segurança.

“Com a segurança da diminuição do número de casos e do numeros de óbitos, a elevação do quantitativo de pessoas vacinadas, já é possível pensar em fazer o rebaixamento do quadro pandêmico e a gente espera que aconteça o mais rápido possível”, salientou o deputado federal.

Pronunciamento

“Em virtude da melhora do cenário epidemiológico e de acordo com o § 2° do Art. 1° da Lei 13.979/2020, o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, estuda rebaixar para ENDEMIA a atual situação da COVID-19 no Brasil”, declarou o presidente em uma publicação do Twitter, na última quinta-feira (03/03)

Em nota oficial, divulgada na manhã desta quinta-feira, o Ministério da Saúde confirmou a afirmação. “O Ministério da Saúde avalia a medida, em conjunto com outros ministérios e órgãos competentes, levando em conta o cenário epidemiológico e o comportamento do vírus no país”, destacou a pasta.

Decisão segue o que já é adotado no Reino Unido, onde foram barradas as restrições de combate ao Coronavírus. Dinamarca, Espanha e França também estudam classificar Covid-19 como endemia. No entanto, a Organização Mundial da Saúde, OMS, não rebaixou o status da doença.

Endemia x Pandemia

Uma endemia, não diz respeito aos riscos da doença para à população, mas caso seja rebaixada para uma Endemia, a Covid-19 deixará de ser tratada como uma emergência de saúde. Diagnóstico de casos e mortes pelas enfermidades continuarão acontecendo, mas suas estatísticas serão reduzidas a um local ou época do ano.

A partir do momento, em que a doença atinge níveis mundiais, ou seja, se dissemina para outros países e continentes, atingindo proporções globais, à Organização Mundial da Saúde, OMS, a classifica como pandemia.

Na prática, caso se confirme à redução do status de Covid-19 para endemia, a doença deixará de ser priorizada como emergência de saúde e restrições relacionadas a ela, como exigência do passaporte vacinal, uso de máscaras, proibição de aglomeração e realização de exames médicos para detecção do vírus deixarão de ser obrigatórias. (Especial para O Hoje)

Veja Também