SES envia relatório com quase 40 fotos de má qualidade à CPI da Saúde

“Vergonhoso e desrespeitoso”, comenta o deputado ao receber documento

Postado em: 01-07-2022 às 08h35
Por: Felipe Cardoso
“Vergonhoso e desrespeitoso”, comenta o deputado ao receber documento | Foto: Reprodução

A CPI da Saúde na Assembleia Legislativa de Goiás (Alego) foi alvo, na tarde da última quinta-feira, 30, de mais uma polêmica. Isso porquê a Comissão recebeu, por intermédio do líder do governo na Casa, Bruno Peixoto (UB), uma resposta da Secretaria de Saúde (SES-GO) alvo, por sinal, de inúmeras críticas.

O HOJE teve acesso ao documento repassado aos parlamentares. Das 60 laudas, 22 contam com uma explicação do que foi feito de 2019, quando o governador Ronaldo Caiado (UB) assumiu as rédeas do Estado, até agora. Outras 38 páginas contam com fotos de maioria sem qualidade impressas em preto e branco. 

A resposta “fajuta” como define o deputado Paulo Trabalho (PL), que é membro da Comissão, foi motivo para que o parlamentar usasse a tribuna durante o encontro da tarde de ontem para expor sua indignação. Além de criticar o texto, o parlamentar ainda acusou os colegas Talles Barreto (UB), presidente do grupo; e Francisco Oliveria (MDB), relator da CPI, além dos demais membros da base governistas de impedirem a convocação dos técnicos ligados à regulação da Saúde para prestarem depoimento. 

Continua após a publicidade

Ao O HOJE, o parlamentar disse que ainda que essas fotos fossem enviadas à CPI em formato digital, onde seria possível observá-las com mais clareza, as imagens continuariam “desprezáveis”. “Essas fotos não dizem nada com nada, é uma coisa muito amadora, superficial. Em que isso acrescenta? O que essas imagens relatam?”, questionou. 

O deputado Humberto Teófilo (Patriota) foi na esteira e disparou à reportagem: “É um relatório vergonhoso, desrespeitoso. São mais de 30 páginas com fotos que buscam ludibriar dizendo que houve revolução na saúde. Mas isso não condiz com a realidade. Isso nos deixa indignados pois sabemos o quanto os goianos estão sofrendo. Muitos estão esperando cirurgias eletivas, exames e vagas em UTIs”. 

Depois, o deputado ainda disparou contra o secretário de Saúde, XXXX, que, segundo ele, sequer teve a “hombridade” de comparecer ao Parlamento. “Ele foi blindado pelos deputados da base que estão lá para que a CPI termine em pizza. Vamos ingressar com uma ação para que possamos convocar pessoas relacionadas à regulação da saúde. Com essa decisão vamos exercer nosso direito de investigar”, garantiu. 

Para além do fosco 

Nas primeiras páginas do documento repassado pela secretaria aos deputados, a pasta afirma que desde 2019 até o presente momento, o Governo inaugurou seis policlínicas e sete hospitais, “promovendo uma verdadeira revolução na saúde”. Segundo a SES-GO isso teria beneficiado a população das mais diversas localidades do Estado e de variadas classes sociais “que passaram a contar com serviços de saúde mais próximos e abundantes”. 

E continua: “até 2018 tínhamos um quantitativo de somente 244 leitos de UTIs localizados em três municípios de modo que a gestão da saúde ampliou o quantitativo para cerca de 800 leitos que passaram a estar disponíveis em 27 cidades”. Em outro trecho a pasta reforça que também foram investidos 2,7 milhões na reforma e revitalização de hemocentros regionais. 

Também foi destacado os “relevantes investimentos” realizados em equipamentos de saúde, tidos como fundamentais para a efetividade do serviço públicos. Na sequênca a secretaria apresentou um cronograma de ações e suas previsões de entrega. 

A tecnologia implantada para melhoria dos sistemas de regulação da saúde também foi destaque no relatório encaminhado à Alego. Segundo o Executivo esses investimentos teriam contribuído com a transparência e qualificação dos processos internos. 

“Mesmo com tantos desafios e incremento de riscos, a SES-GO não se mostrou inerte em momento algum e utilizou sua capacidade de planejamento para aprimorar os processos de trabalho e transparência, a fim de promover os resultados mais proveitosos ao interesse da saúde pública”, escreveu. 

Em outro trecho a Saúde rememorou, ainda, o enfrentamento à pandemia. “Nesse contexto, as variáveis se intensificaram, gerando um peso maior ao labor da saúde pública e aos seus executores, fato que muitas vezes implica na materialização de riscos inerentes ao cenário”. E finalizou: “é inegável que o trabalho que foi exercido heroicamente pelos servidores da saúde pública estadual que, em somatória a uma gestão eficiente e planejada, propiciaram uma sistemática e eficaz reformulação do sistema único estadual com foco na regionalização que beneficia toda a população goiana”. 

Veja Também