Lei que cria Casa do Autista é sancionada em Goiânia

A proposta prevê atendimentos com nutricionistas, neuropediatras, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, psicólogos, fonoaudiólogos, assistentes sociais e psicopedagogos

Postado em: 21-07-2022 às 09h19
Por: Rodrigo Melo
A proposta prevê atendimentos com nutricionistas, neuropediatras, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, psicólogos, fonoaudiólogos, assistentes sociais e psicopedagogos | Foto: Alireza Attari/Unsplash

O prefeito Rogério Cruz sancionou, nesta terça-feira (19/7), lei que cria a Casa do Autista em Goiânia. Sanção foi publicada em edição extra do Diário Oficial do Município.

O espaço, destinado ao desenvolvimento da interação social, comunicação e habilidades cognitivas e motoras, atenderá tanto pessoas diagnosticadas com Transtorno do Espectro Autista (TEA), como, também, prestará assistência aos familiares dos pacientes.

Leia também: Mães de autistas relatam dificuldades de inclusão e custo alto do tratamento 

Continua após a publicidade

A proposta prevê atendimentos com nutricionistas, neuropediatras, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, psicólogos, fonoaudiólogos, assistentes sociais e psicopedagogos. de autoria do vereador Santana Gomes (PRTB), o projeto foi aprovado pela Câmara Municipal de Goiânia em junho.

“São essas atividades que permitem o desenvolvimento das habilidades cognitivas, motoras, emocionais, de comunicação e adequação social de um autista”, concluiu Gomes.

Segundo o decreto, despesas com a execução serão custeadas por dotações orçamentárias próprias que, caso necessário, poderão ser suplementadas.

O projeto não define o local onde a Casa do Autista irá funcionar.

Veto

Também na sessão desta terça, por 12 votos favoráveis e quatro contrários, o Plenário manteve veto do prefeito Rogério Cruz à proposta que criava o Projeto Musicalidade de Goiânia, também de iniciativa de Gomes.

O líder do prefeito na Casa, vereador Anselmo Pereira (MDB), afirmou que a matéria foi vetada por gerar despesas com criação de cargos. “Acho que o colega deve discutir com o Paço o envio de um projeto da Prefeitura sobre o assunto”, sugeriu.

O Projeto Musicalidade de Goiânia criaria cinco grupos artísticos, entre eles banda marcial (com 46 bolsistas); banda musical (24 instrumentistas); banda sinfônica; banda de percussão; além do núcleo de apoio artístico.

Cada músico receberia bolsa no valor de meio salário mínimo. “A intenção era reviver esse movimento pedagógico, musical e marcial, proporcionando às novas gerações o conhecimento dessa cultura, contribuindo para seu fortalecimento e não esquecimento de uma tradição artística. É triste esse veto”, finalizou Santana Gomes.

Veja Também