Após baixas, vereadores querem evitar novas interferências na prefeitura

O mais recente motivo para alarde dos vereadores foi a possibilidade de exoneração de José Firmino, chefe de gabinete do prefeito

Postado em: 11-08-2022 às 08h27
Por: Izadora Resende
A prefeitura de Goiânia tem vivido uma sequência de baixas nos últimos dias, tendo sido duramente criticada, na volta dos trabalhos legislativo |Foto: Fernando Leite

Durante sessão plenária na Câmara Municipal de Goiânia, na quarta-feira (10/8), o vereador Santana Gomes (PRTB) levantou uma pauta que animou os ânimos dos parlamentares. Segundo ele, existe um grupo que quer derrubar o prefeito de Goiânia, Rogério Cruz (Republicanos). A tentativa, desta vez, seria por meio de uma exoneração forçada do chefe de gabinete, José Firmino, a pedido da cúpula nacional do Republicanos. Santana informou que o governador Ronaldo Caiado (União Brasil) perguntou ao presidente do PRTB, Denes Pereira, se Firmino havia sido “derrubado” da prefeitura, pelo “povo de Brasília”.   

O vereador explicou que ligou para Rogério Cruz a fim de confirmar esta informação, que foi negada. De acordo com ele, Rogério Cruz disse que esse pedido já foi feito várias vezes, mas que com ele não funciona dessa forma. 

A prefeitura de Goiânia tem vivido uma sequência de baixas nos últimos dias, tendo sido duramente criticada, por exemplo, na volta dos trabalhos legislativos na Câmara Municipal, no início do mês de agosto. Já havia sido antecipado pelo O HOJE que haveriam outras situações assim. 

Continua após a publicidade

Há um movimento, por parte dos vereadores, para que os membros da cúpula do Republicanos de Brasília sejam substituídos no Paço Municipal, ao passo que dificultam a comunicação do legislativo com o executivo. Alguns vereadores definiram os secretários como “truculentos, indisponíveis para o diálogo e sem cordialidade”. 

Talvez, por esta razão, a saída de Firmino seja vista como um grande problema, já que, de acordo com alguns parlamentares, ele é o único na gestão de Rogério que os recebe e está aberto ao diálogo. O vereador Clécio Alves (Republicanos) afirmou que José Firmino “é um homem leal, honrado, que serve ao governo e ao prefeito Rogério Cruz como poucas vezes vi tamanha lealdade. Eu espero que isso seja um balaio de ensaio. Se caso o prefeito Rogério Cruz cometer esse crime – exonerar Firmino – vai pagar um preço na vida, não só como prefeito, mas na vida, que ele nunca vai conseguir reparar”, concluiu. 

O vice-prefeito de Goiânia, Romário Policarpo (Patriota) foi cobrado para interceder a favor junto ao prefeito. Em tom ácido, Santana pontuou que se for preciso “jogar na lama”, ele vai. “É meu ambiente. Se eu for para a lama, eu levo todo mundo. Eu tenho papel para levar todo mundo. Estou pronto para o jogo. Eu estive com o senador Demóstenes Torres e ele tem informação dessa prefeitura e do Ministério Público que até Deus duvida”, disse. 

Mais um 

Em meio às polêmicas do excesso de envolvimento da cúpula nacional do Republicanos na gestão de Rogério Cruz, mais uma exoneração aconteceu. Nome forte do partido em Brasília, Arthur Bernardes, foi exonerado do Escritório de Prioridades Estratégicas da Prefeitura de Goiânia, onde ocupava o cargo de secretário. A exoneração foi publicada no Diário Oficial do Município, da última terça-feira (10/8).

Nova roupagem

Assim como revelado pela coluna Xadrez, do jornal O HOJE, o jornalista Wilson Silvestre apurou que as últimas decisões do prefeito de Goiânia, Rogério Cruz (Republicanos), trocando algumas peças chaves no tabuleiro político da gestão da Capital, sugerem que ele agora controla totalmente a máquina municipal. “O prefeito não será mais surpreendido com ações administrativas sem a sua anuência e que provoque desgastes político em sua imagem”, contou um aliado.

Rogério Cruz está tentando colocar fim aos rótulos que recebeu desde o início da gestão, de prefeito que “terceirizou a gestão” e também de ‘paraquedista” político. Agora, ele quer ser visto como prefeito de forma integral, sendo o responsável pelas estratégias políticas junto aos vereadores.

Veja Também