Projeto gera reinserção de mulheres vítimas de violência doméstica no mercado de trabalho

A iniciativa vem promovendo desde 2018 a formação humana, qualificação técnica e encaminhamento ao mercado formal de trabalho de pessoas em vulnerabilidade socioeconômica.

Postado em: 05-08-2022 às 17h34
Por: Ícaro Gonçalves
A iniciativa vem promovendo desde 2018 a formação humana, qualificação técnica e encaminhamento ao mercado formal de trabalho de pessoas em vulnerabilidade socioeconômica | Foto: Reprodução

Na quarta-feira (3/8), um grupo de 27 mulheres de Luziânia que já foram vítimas de violência doméstica conquistaram diplomas de Assistente de Cozinha, e com eles, oportunidades de reiniciar suas vidas profissionais.

As alunas foram integrantes do projeto de empregabilidade “Mais Um Sem Dor”, criado a partir da união de esforços do Ministério Público do Trabalho em Goiás (MPT-GO) e da Justiça do Trabalho. Segundo o MPT, algumas mulheres também estão com filhos cumprindo medida socioeducativa em regime fechado.

O curso, de 80 horas-aula, foi ministrado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) de Luziânia. Além das aulas, foram ofertadas oficinas e workshops sobre mercado de trabalho e preparação de currículo. Durante a qualificação, as estudantes receberam vale-transporte, auxílio-lanche e bolsa de custeio.

Continua após a publicidade

Leia também: Justiça concede 6 mil medidas protetivas à vítimas de violência doméstica

A iniciativa vem promovendo desde 2018 a formação humana, qualificação técnica e encaminhamento ao mercado formal de trabalho de pessoas em vulnerabilidade socioeconômica. Ao todo, cerca de 700 pessoas já foram qualificadas pela iniciativa nos municípios de Goiânia, Anápolis, Luziânia, Catalão, Jataí, Mineiros e Niquelândia.

Além de vítimas de violência domésticas, o projeto também atende pessoas em situação de rua, trans, travestis, mulheres negras, imigrantes, refugiados, quilombolas, mulheres que estão cumprindo pena em regime fechado, entre outros.

Veja Também