Exposição ‘Marco Alessandro’ revela, por meio de suas obras a arte goiana dos anos 1990

A exposição trata-se de um projeto póstumo e, por essa razão ganha uma atmosfera de homenagem e saudade

Postado em: 13-08-2022 às 09h48
Por: Lanna Oliveira
O artista plástico Marco Alessandro Luziardi Salgado, apesar de carioca de nascimento, passou a maior parte da vida em Goiânia | Foto: Divulgação

Homenagear é relembrar e é nessa energia que a Galeria Parede e a Rebellium Coletiva apresentam a exposição ‘Marco Alessandro’. Para quem não o conhece, te apresento: O artista e sua história confunde-se com a própria história de Goiânia. Suas pinturas, desenhos, colagens e os mais diversos trabalhos em técnica mista foram recuperados pela Alda Alexandre com apoio de sua família. Após nove anos de sua morte precoce, a iniciativa chega carregada de afeto e permanece na cidade até o dia 11 de outubro.

Que falta faz Marco Alessandro para a arte goiana! Talvez seja para amenizar esse sentimento de perda que Alda Alexandre se propôs o desafio de trazer à tona o imenso acervo de obras do artista. Uma maneira encontrada para resgatar seu processo criativo, a exposição que leva seu nome, ganha outro apoio. A digitalização de uma agenda repleta de registros que marcaram suas experiências artísticas reforça o compromisso dos envolvidos em o apresentar por inteiro para aqueles que têm sede de arte.

A exposição ‘Marco Alessandro’ trata-se de um projeto póstumo e, por essa razão ganha uma atmosfera de homenagem e saudade. O artista plástico Marco Alessandro Luziardi Salgado, apesar de carioca de nascimento, passou a maior parte da vida em Goiânia. Desde a infância vivenciou a essência de Goiânia, isso por meio das ruas que pisou no Centro da Capital. Morando aqui e ali, mas sempre na região, ele era frequentador assíduo de bares no coração da cidade. Ali, sua personalidade artística já ganhava referências.

Continua após a publicidade

Deixou de estudar arquitetura por não se adaptar ao ambiente acadêmico, considerado esnobe pelo jovem artista. Nesse período, sua tensão com o mundo e um certo traço romântico na busca por uma vida mais autêntica se delineavam, tanto na sua arte. Chegou a ter uma livraria e um sebo, EAV e MAC respectivamente. Movimentos musicais, como punk e pós-punk, também tiveram grande influência na construção da sua subjetividade artística, assim como a linguagem das HQ’s, o cinema, a televisão, e a cultura pop de modo geral.

Tudo que viu, ouviu, viveu e aprendeu resultou em técnicas distintas e uma quantidade de obras que impressiona. Devido ao limitado espaço da Galeria Parede, o recorte que Alda fez ao lado de sua esposa Marta Pinheiro dos trabalhos expostos fisicamente é bastante reduzido se comparado à quantidade de obras deixadas por Marco. Sua produção intensa e diversificada de arte pode ser entendida como um contraponto à tendência da cena artística local da época de valorizar, ou mesmo de folclorizar as obras mostradas dentro dos espaços institucionais.

Segundo o filósofo e professor, Charliston Nascimento, Marco Alessandro é “um dos artistas mais significativos e representativos da arte goiana das décadas de 1990 e 2000”. Nesse sentido, acrescenta ele, que esta exposição póstuma seja também a primeira individual do artista deixa algo a ser questionado. Para Charliston, “esse fato diz mais respeito às deficiências institucionais da arte que a cultura e os artistas goianos historicamente enfrentam, do que propriamente alguma carência referente à qualidade da obra de Marco Alessandro”.

Na visão de Alda Alexandre, a arte de Marco sintetiza a cena artística e cultural goiana dos anos 1990. O acervo deixado por ele revela sua busca por um ponto de inserção no mundo. Essa tensão da relação do artista com o mundo, na arte contemporânea, baliza com o papel da arte enquanto meio de encontrar uma existência autêntica. Nesse contexto, conforme Nicholas Bourriaud, é como se os estilos de vida fossem modos de fazer arte e vice-versa. Se há uma constante na obra de Marco, esta seria a ideia de scrapbook, terminologia em inglês para definir um livro de recortes personalizado com fotos, anotações, coisas achadas e guardadas.

Veja Também