Vereadores alimentam projetos para disputar eleições em 2022

Postado em: 14-09-2021 às 08h47
Por: Felipe Cardoso
Alçar voos mais altos na política não necessariamente implica uma decolagem escalonada | Foto: Reprodução

Em um passado não muito distante, o então vereador por Goiânia, Elias Vaz (PSB), se lançava na disputa ao Congresso Nacional pelo PSB. Ao contrário do que alguns pensavam —  por considerar seu projeto audacioso —, Elias não apenas terminou o pleito vitorioso, como também superou grandes nomes, dentre eles: Alcides Rodrigues (PRP), Célio Silveira (PSDB) e José Nelto (Podemos).

Com a vitória consagrada nas urnas, Elias deixou o Legislativo municipal no ano seguinte para figurar em cenário nacional, sem antes passar pela Assembleia Legislativa. A decisão de tentar viabilizar um projeto mais ousado sem passar primeiro pela Alego nem sempre é avaliada com bons olhos. Mas a história provou, por reiteradas vezes, que alçar voos mais altos na política não necessariamente implica uma decolagem escalonada: do município ao estado e, por fim, ao país. E é justamente sob essa ótica que muitos nomes já estão formatando estratégias para o ano que vem.  

Dentre os componentes da 19a Legislatura da Câmara Municipal de Goiânia, alguns se sobressaem e falam mais abertamente sobre o assunto. Outros, ainda tratam o tema com cautela e acreditam que haverá momento “oportuno” para eventuais anúncios. Todavia, há pouco mais de um ano das eleições, algumas figuras já podem ser observadas circulando como prováveis protagonistas de um cenário relativamente distante. 

Trânsito facilitado

Dentre os nomes, está o da vereadora Sabrina Garcez (PSD). Além de experimentada, a parlamentar carrega uma política de berço. Sucessora da mãe, Cida Garcez, na Câmara, Sabrina não hesita em afirmar que buscará uma cadeira em Brasília no ano que vem. “Tenho me preparado muito e feito relacionamentos no interior. Estamos buscando angariar forças junto àqueles que acreditam na nossa forma de fazer política: de maneira séria e descomplicada. Falo de uma política que seja incansável no sentido de, através do diálogo, encontrar solução para tantas divergências”, afirma a vereadora.

Apesar de jovem, Sabrina transita com facilidade entre os políticos de carreira. Articuladora, a pessedista foi considerada uma das peças-chave no que diz respeito à aproximação entre o prefeito Rogério Cruz (Republicanos) e o senador por Goiás, Vanderlan Cardoso (PSD) —  adversários políticos no pleito recente de 2020. Além de ser bem avaliada nos bastidores da política goiana, a parlamentar ainda se destaca num ambiente crucial para se fazer política em tempos modernos:  a internet.

Alto escalão

Outro que tende a estar na disputa —  e não esconde o desejo —  é o presidente do Parlamento, Romário Policarpo (Patriota). A decisão, no entanto, passará pelo presidente do partido em Goiás, Jorcelino Braga. “Ele [Braga] tem dito que posso ser um dos candidatos do partido. Não se sabe ainda se para deputado estadual ou federal, mas essa é uma decisão que será tomada pelo grupo”, destacou o presidente. “Se entenderem que esta é a minha missão, vou aceitar”, pontuou. 

Questionado, porém, em que posição se sentiria mais confortável na disputa de 2022, disparou: “Hoje, diante das pautas que tenho, acho que poderia contribuir mais com o estado como deputado federal. É até um desejo pessoal, mas isso não quer dizer que também não possa ajudar o povo goiano como deputado estadual, tudo vai depender do momento e das pautas que tivermos daqui um ano”, argumentou. 

Composição assertiva

Também figura na lista de pretendentes o do líder do Republicanos na Câmara. O partido, que vem ganhando musculatura ao longo dos últimos anos, teve uma nova guinada a partir da posse do prefeito Rogério Cruz (Republicanos) em Goiânia. 

O partido tem se destacado, inclusive, nacionalmente, ante a formação de chapas mais robustas e, consequentemente, competitivas. A sigla também figura entre as possíveis legendas que podem abrigar o projeto de reeleição do presidente Jair Bolsonaro no ano que vem. 

Líder dessa bancada na Câmara, o vereador Leandro Sena é um dos nomes que estará na disputa do ano que vem. Senna tem se destacado  como um dos fiéis escudeiros do prefeito da capital que goza do apoio da maioria esmagadora do Parlamento. O vereador também se destacou pela enérgica atuação em ações de combate, enfrentamento e prevenção à covid-19 no primeiro semestre de 2021. 

“Estou trabalhando para firmar minha candidatura no ano que vem. Montei uma chapa forte e elegemos três vereadores para Câmara de Goiânia em 2020, hoje temos uma das maiores bancadas do Parlamento. Para o Congresso, com fé em Deus, não será diferente. O Republicanos têm todas as chances de ocupar esses espaços a partir do ano que vem. Nossa expectativa é eleger três federais”, adiantou o  parlamentar ao jornal O Hoje. 

Em ascensão

Na esteira, Thialu Guioti também estará no pleito pelo Avante. A expectativa, segundo o próprio parlamentar, é eleger ao menos uma cadeira com um quantitativo de 25 a 35 mil votos. “Teremos uma disputa de chapas puras no ano que vem. O Avante tem tempo de televisão, tem fundo partidário e alcançou 100 mil votos na eleição de 2020”, rememorou o parlamentar. 

Guioti avalia que o partido tem demonstrado, cada vez mais, sua força, e, apesar de ainda figurar entre os “medianos”, fez, no último pleito, três vereadores para Câmara Municipal de Goiânia. “Em paralelo, o partido do governador do Estado [Dem] fez apenas um”, comparou. 

Time de peso

Outro com reais projeções para 2022 é o vereador Lucas Kitão (PSL). Inicialmente o projeto de Kitão seria figurar na disputa por uma cadeira na Assembleia Legislativa. Mas os planos mudaram após o deputado estadual Lucas Calil (PSD) anunciar que virá à reeleição no ano que vem. 

Acontece que, em 2016,  Kitão deu início à vida política com o apoio de Calil. Sendo assim, apesar de ventilar como um político com potencial para alcançar a vaga, o parlamentar não hesita em descartar qualquer possibilidade de se tornar um adversário do “padrinho” em 2022.  

“Sei que é algo perdido na política, mas se tem uma coisa que carrego comigo é a fidelidade e gratidão. O Calil me ajudou muito. Seria mais fácil eu abrir mão da política do que concorrer com ele”, destacou Kitão ao ser questionado sobre o assunto. 

Diante do imbróglio, há uma considerável probabilidade de que Kitão dispute uma das 17 cadeiras em Brasília. Inclusive, o parlamentar não vê razões para temer o pleito e já assegurou que não deve tirar o time de campo caso esse seja o entendimento do grupo. “Vamos para cima como fomos em todos os outros desafios que tivemos”, disse o parlamentar.  

Além de figurar como modelo da “nova política”, Kitão já se provou, por diversas vezes, habilidoso. O vereador está em seu segundo mandato onde segue pautado por uma atuação firme no que diz respeito, especialmente, às deficiências do transporte coletivo e mobilidade urbana. Estima-se que como federal poderia contribuir ainda mais com a solução dessas e outras demandas ligadas ao setor. 

Revelação

Por fim, a vereadora Aava Santiago (PSDB) é avaliada, nos bastidores,  como um dos nomes mais atuantes da Legislatura. Apesar de não escantear a possibilidade de participação na disputa do ano que vem, Aava diz estar focada em chegar ao final do ano com todas as promessas de campanha iniciadas ou concluídas. “A partir disso pretendo abrir espaço para  uma nova agenda política sem deixar nenhum déficit com meu eleitorado”, explicou. 

“Disputar em 2022 era algo que não estava nos meus planos , mas estamos tocando um mandato que tem se destacado pela grande quantidade de entregas. Em paralelo, eu acabei assumindo a presidência do partido em Goiânia e isso formou uma conjuntura favorável para o ano que vem. Mas é algo que estamos tratando com naturalidade, sem querer apressar as coisas. Embora nada disso esteja descartado, nossa prioridade é com o mandato”, afirmou. 

A parlamentar, que é tida como revelação política, tem protagonizado duros embates na Câmara Municipal. A tucana chama atenção pela postura independente e tem angariado forças por meio de projetos de inclusão social, enfrentamento à pandemia, retomada econômica e emancipação feminina. Apesar de figurar há pouco mais de seis meses na Câmara, a vereadora já conta com dois projetos de sua autoria sancionados pela prefeitura de Goiânia.

Compartilhe: