PL vai voltar para Magda Mofatto após eleição, garantem aliados

Vítor Hugo assumiu presidência do partido na primeira quinzena de maio

Postado em: 08-07-2022 às 08h21
Por: Francisco Costa
Vítor Hugo assumiu presidência do partido na primeira quinzena de maio | Foto: Cleia Viana/ Câmara Federal

Aliados da deputada federal Madga Mofatto (PL) garante que ela voltará a presidir o partido após a eleição para o governo de Goiás este ano. Atualmente, a sigla é comandada no Estado pelo também deputado federal major Vítor Hugo. 

Vale citar, Vítor Hugo assumiu o comando do PL em Goiás na primeira quinzena de maio. Ele se tornou presidente do diretório estadual alguns dias após Magda Mofatto ter sido empossada. Inclusive, em vídeo que divulgado nas redes sociais, a liderança do major foi reiterada pelo presidente nacional da legenda, Valdemar da Costa Neto. 

À época, tanto Magda quanto o presidente anterior, Flávio Canedo, estavam em viagem aos Estados Unidos. Naquele momento, eles disseram que foram pegos de surpresa com o anúncio. Antes, eles divulgaram nota de “silêncio” sobre o ocorrido. “Silêncio fala mais que mil palavras”, foi o posicionamento oficial dos ex-presidentes do PL no dia que a posse de Vítor Hugo foi anunciado.

Continua após a publicidade

Retorno

Segundo este aliado de Magda, já está acertado com o próprio presidente Jair Bolsonaro (PL) que a ex-mandatária da sigla retorne após as eleições deste ano. A informação é que isso só não ocorrerá se Vítor Hugo vencer o pleito, o que, neste momento, não é indicado pelas pesquisas.

Inclusive, a escolha de Vítor Hugo por imposição de Bolsonaro se deu pelo entendimento que ele seria estrategicamente o melhor nome para fazer palanque em Goiás pela reeleição do chefe do Executivo de Goiás. Aliado de primeira hora do presidente, o congressista já foi líder de Bolsonaro na Câmara Federal, além de líder do PSL naquela mesma Casa. 

O ex-presidente Flávio Canedo foi procurado, mas não comentou o assunto. Ele informou apenas que cuida das campanhas de Gustavo Mendanha ao governo, da reeleição de Magda Mofatto à Câmara Federal e de alguns pré-candidatos a deputado estadual do PL, Patriota, DC e outros. O Hoje também tentou contato com major Vítor Hugo, mas não teve sucesso.

Magda e Mendanha

Vale lembrar, Magda tinha assumido a liderança da sigla no último dia 8 de maio no lugar do marido, Flávio Canedo. Nos bastidores, o clima já era de insatisfação dentro da legenda, uma vez que Vítor Hugo foi lançado como pré-candidato ao governo por imposição do presidente Bolsonaro.

A ex-presidente do PL articulava há meses para que o partido apoiasse pré-candidatura do ex-prefeito Gustavo Mendanha (Patriota) e Vítor Hugo teria sido imposto sem conversar com as bases do partido, revelaram interlocutores ao O Hoje.

Inclusive, no fim de maio – já fora da presidência – Magda afirmou que estaria com o ex-prefeito de Aparecida de Goiânia. “Já mostrou serviço, capacidade e competência, e Goiás quer mudança”, disse. “É a minha escolha.”

Composição difícil

Uma composição entre Mendanha e Vítor Hugo é difícil. Gustavo até disse ao O Hoje está “totalmente aberto” a uma composição com o deputado federal. O presidente estadual do PL, contudo, negou a possibilidade e declarou: “Não serei vice-governador de um esquerdista, do ‘Doria do cerrado’.” 

Antes, Mendanha afirmou: “O que a gente sente hoje, e o que as pesquisas mostram, é o atual governador em queda. Não diria livre, mas gradual, e o índice de rejeição aumentando constantemente. Então, hoje está bem pacífico isso. Entendo que o diálogo é sempre importante, então, independente da nossa área de atuação, o meu desejo, do Marconi, do Vitor Hugo, é que esse modelo de governança não perpetue e continue.”

Veja Também