Justiça suspende pesquisa de votos que apresenta Fabrício Rosa como candidato ao Governo de Goiás

Fabrício Rosa disputa as eleições como candidato a deputado estadual, e não a governador, como foi apresentado na pesquisa

Postado em: 25-09-2022 às 14h55
Por: Ícaro Gonçalves
Fabrício Rosa disputa as eleições como candidato a deputado estadual, e não a governador, como foi apresentado na pesquisa | Foto: Reprodução/Instagram

O Tribunal de Justiça Eleitoral de Goiás (TRE-GO) suspendeu na tarde de sábado (24/9) uma pesquisa de intenções de votos na qual o nome de Fabrício Rosa foi apresentado erradamente como um candidato ao ao Governo de Goiás.

Conforme a Tutela Antecipada Antecedente assinada pelo juiz Mark Yshida Brandão, a pesquisa produzida pela empresa Work Assessoria e Pesquisa Eireli apresentava aos entrevistados o nome de Fabrício Rosa (PT) entre os postulantes ao governo estadual. Fato é que Fabrício disputa as eleições como candidato a deputado estadual, e não a governador.

A pesquisa foi promovida entre os dias 21 e 24 de setembro, com o registro GO-00244/2022, e deveria ser divulgada no próximo dia 28.

Continua após a publicidade

Imagem: Reprodução/TRE-GO

“[Com] a informação inverídica no formulário de perguntas aos entrevistados a pesquisa poderá confundir o eleitorado em razão do erro existente, até mesmo porque já existe no referido questionário outro candidato pelo Partido dos Trabalhadores – PT, qual seja, Wolmir Amado”, aponta a decisão.

O documento ainda cita o site Divulgação de Candidaturas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), no qual são divulgados todos os candidatos e candidatas com registro deferido. O portal demostra que os nove candidatos ao Governo de Goiás são: Cintia Dias (PSol), Edigar Diniz (Novo), Gustavo Mendanha (Patriota), Major Vitor Hugo (PL), Professor Pantaleão (UP), Professora Helga (PCB), Ronaldo Caiado (UB), Vinicius Paixão (PCO) e Wolmir Amado (PT).

Por fim, o juízo definiu multa de R$ 50 mil caso a empresa divulgue os resultados do levantamento.

Leia também: Após duas eleições pelo PSOL, Fabrício Rosa troca partido pelo PT de olho em vaga na Assembleia

Veja Também