Deputados candidatos à reeleição têm, em média, sete vezes mais recursos do fundo eleitoral

Os 464 deputados em reeleição receberam R$ 794 milhões do fundo eleitoral, repasses que chegam a uma média de R$ 1,7 milhão para cada deputado

Postado em: 26-09-2022 às 16h33
Por: Ana Bárbara Quêtto
Os 464 deputados em reeleição receberam R$ 794 milhões do fundo eleitoral, repasses que chegam a uma média de R$ 1,7 milhão para cada deputado | Foto: Antonio Molina/Folhapress

Os deputados federais que concorrem à reeleição terão, em média, sete vezes mais recursos do fundo especial para financiamento de campanhas em comparação aos demais candidatos à Câmara dos Deputados.

Os 464 deputados em reeleição receberam R$ 794 milhões do fundo eleitoral, repasses que chegam a uma média de R$ 1,7 milhão para cada deputado. No documento, está presente apenas os dados divulgados em prestações de contas até o dia 21 de setembro.

Os demais 7.044 concorrentes à Câmara, que foram contemplados pelo fundão, levaram, ao todo, R$ 1,6 bilhão do fundo eleitoral. Isso resulta, em média, R$ 227,1 mil para cada um. Cerca de R$ 1,4 bilhão, a maior parte dos recursos, será destinado a políticos que já disputaram cargos eleitorais, mas não possuem mandato na Casa hoje em dia.

Continua após a publicidade

Outros 233 milhões vão para nomes inéditos nas urnas. Em relação a última eleição, os partidos estão com mais poder aquisitivo para empreender nesta eleição. O fundo eleitoral de 2022 chegou a R$ 4,9 bilhões, contra R$ 1,7 bilhão na eleição passada, valor que, corrigido pela inflação do período, seria equivalente a R$ 2,9 bilhões.

Simultaneamente, o limite máximo de gastos por candidatura foi atualizado somente pela inflação. Com isso, sobraram recursos para investir em mais candidaturas do que há quatro anos.

Leia também: Bolsonaro recebe missão da OEA que observará eleições

Quem recebeu mais?

Ao todo, 26 concorrentes a deputado federal receberam R$ 3 milhões ou mais do fundo eleitoral para financiar suas campanhas. Em primeiro lugar, a campeã em repasses do fundo eleitoral entre os candidatos á Câmara nesta eleição é a deputada federal Joice Hasselmann (PSDB-SP), com R$ 3,2 milhões.

Em segundo lugar aparece o deputado Julian Lemos (União Brasil). Também estão entre os campeões de repasses candidatos que, devido ao fim das coligações nas disputas proporcionais, terão campanhas duras e precisarão de mais votos para atingir o patamar eleitoral.

Como por exemplo, a deputada federal e ex-prefeita de Salvador Lídice da Mata (PSB), aposta do partido para garantir ao menos uma vaga na Câmara pela Bahia, com R$ 3 milhões.

Leia também: Delegados da PF apresentam queixa-crime contra Moraes por abuso de autoridade

Candidatos à reeleição

As legendas têm priorizado candidatos que já disputaram mandatos e agora tentam retornar à Câmara dos Deputados. Dentre eles estão: os  ex-candidatos à Presidência, senador José Serra (PSDB), que disputa uma vaga de deputado federal por São Paulo, e a ex-senadora Heloísa Helena (Rede), que trocou Alagoas pelo Rio de Janeiro e concorre a uma vaga na Câmara.

Cada um recebeu R$ 3,2 milhões. Além disso, prefeitos, vereadores e deputados estaduais também são apostas para Câmara neste ano. A maioria recebeu recursos equivalentes a candidatos em reeleição.

O PSDB, por exemplo, destinou R$ 3,1 milhões para Paulo Alexandre Barbosa, prefeito de Santos de 2013 a 2020. Já o PDT apostou em nomes como Duda Salabert (MG), vereadora mais votada em Belo Horizonte em 2020, e Léo Prates (BA), deputado estadual e ex-secretário de Saúde em Salvador.

Duda recebeu cerca de R$ 1,2 milhão e Léo, R$ 1 milhão. Por fim, entre os concorrentes à Câmara que disputam uma eleição pela primeira vez, os que mais receberam recursos são parentes de políticos.

Veja Também