Cartunista brasileiro pretende vender como NFT charge que inspirou meme do ônibus

Postado em: 03-12-2021 às 15h33
Por: Maria Paula Borges
Arte mostra duas pessoas encarando duas vistas diferentes em um ônibus | Foto: Genildo Ronchi

Uma charge do cartunista brasileiro, Genildo Ronchi, viralizou nas redes sociais nas últimas semanas, em nível nacional e internacional. Para aqueles que são ativos na vida virtual já deve ter se deparado com a imagem de duas pessoas sentadas em um ônibus, encarando duas vistas completamente diferentes pelas janelas. De um lado, uma pessoa desanimada por ver a rigidez cinzenta de uma montanha rochosa, já a outra encara a luz do pôr do sol, iluminando as montanhas de cobertura vegetal. Com o sucesso, o artista pretende vender a arte como “Non-fungible token” (NFT, na tradução para o português, token não fungível).

A charge foi criada em 2013, e atualmente vem sofrendo adaptações para uma série de memes dentro e fora do Brasil. Em países como Espanha, Estados Unidos e uma série de países asiáticos, a obra também vem recebendo destaque com narrativas de humor, sendo adaptadas para diversos contextos cotidianos.

“Eu sempre passava perto de um terreno baldio que era cheio de mato, terra e lixo. Ali não cheirava nada bem. Algumas vezes, andei pelo caminho com olhos fechados e prendendo a respiração. Mas um dia percebi que poderia começar a olhar para o outro lado enquanto atravessava o terreno. Passei, então, a ver o pôr do sol, uma coisa maravilhosa. Descobri que posso aceitar ser feliz mesmo diante de algo que não me faz bem. Cheguei em casa e fiz a obra”, explica Ronchi.

Na charge original, faz parte da arte a frase “escolha o lado feliz da vida”. Entretanto, na maioria das adaptações da imagem, a mensagem foi excluída. Em algumas, até mesmo a assinatura do autor foi deletada, causando desconforto. “Alguns memes cortaram minha assinatura, talvez por medo de processo, ou algo do tipo. Mas com humildade, comecei a agradecer as referências [à charge] nos perfis e notei que isso favoreceu o mapeamento dos créditos na viralização”.

Diante do grande sucesso, Ronchi quer vender a imagem como NFT, que consiste em uma espécie de certificado digital que define originalidade e exclusividade de bens digitais, que tem chamado a atenção após valores altíssimos serem usados para efetuar compra desse tipo de ativo na internet.

O cartunista ainda não sabe qual valor cobrará pela venda em NFT, mas enquanto isso, aproveita a fama e está produzindo novas charges atreladas ao desenho que virou meme. “Ainda preciso checar o valor que colocarei, mas já sei que quero fazer isso”, afirma.

Além disso, em meio a popularização dos memes, grandes empresas veem a figura como isca para curtidas e compartilhamentos. A Netflix e a Pizza Hut, por exemplo, entraram em contato com Ronchi para conseguir autorização de uso e adaptação da charge para fins propagandísticos.

Compartilhe: