Artista plástico goiano expõe mostra individual em Portugal

Gerson Fogaça leva ‘Visões Simbólicas’ para a Casa da América Latina, em Lisboa

Postado em: 11-05-2018 às 06h00
Por: Sheyla Sousa
Gerson Fogaça leva ‘Visões Simbólicas’ para a Casa da América Latina, em Lisboa

GABRIELLA STARNECK*

Continua após a publicidade

O artista plástico goiano Gerson Fogaça leva a mostra individual Visões Simbólicas, nesta sexta-feira (11), para Lisboa, na Casa da América Latina. As 24 obras de vários formatos do artista plástico ficarão expostas até o próximo dia 27 de julho, em Portugal. A mostra, que tem curadoria da crítica de arte franco-argentina Patrícia Avena Navarro e produção de Malu da Cunha, já foi apresentada na Bélgica e no Chile em 2017. 

Minha proposta em Visões Simbólicas é fazer um recorrido por várias fases. São obras mais pastosas, e meu trabalho sofreu uma evolução ao longo do tempo, e, agora, foi se diluindo. Eu estou entre a figura, a ação e a abstração. Tem obras, por exemplo, de uma exposição que eu fiz no Chile, outras obras que já foram apresentadas em Cuba – então é uma pequena retrospectiva dos meus trabalhos’, afirma Fogaça ao Essência. 

‘Visões Simbólicas’

A produtora Malu reafirma a fala do artista plástico: “Visões Simbólicas faz parte de uma itinerância que teve sua primeira parada em Bruxelas, na Bélgica, no ano passado, e pretende seguir para outras cidades depois de Lisboa”, explica.  A exposição é composta por 24 obras de vários formatos, mas Fogaça conta que na abertura da mostra, que ocorreu na última quinta-feira (10), ele percebeu que os galeristas têm mais preferência por obras de grande formato.  “As obras maiores me permitem contextualizar mais, além disso, me dão muito mais liberdade”, afirma o artista plástico.

Ele ainda conta que, nessa exposição, por exemplo, ele trás três obras eróticas – produto de uma pesquisa que ele já está desenvolvendo, e que é uma exposição que ele vai fazer com Pedro Juan Gutiérrez, escritor cubano, no próximo ano. “Há dez anos, atrás eu li um livro dele, O Rei de Havana, que me impactou muito, e a narrativa dele tem muito a ver com minha proposta plástica. A gente vai se encontrar no ano que vem numa exposição individual no Museu de Arte Contemporânea, porque, além de ser escritor, ele é pintor também. Então é um orgulho para mim”, afirma Fogaça. 

O artista plástico ainda conta que tem pesquisado muito: “Tem uma fase aqui que estou interferindo com desenho – é uma técnica mista que eu uso acrílico, pastel e carvão. Eu estou ‘viajando’ entre figura e abstração, símbolos e códigos, desenho e pintura”. Sobre o trabalho de Fogaça, Patrícia afirma: “Suas obras põem à prova os limites da pintura e do desenho, apresentando fragmentos de uma obra que nos convida a prosseguir, percebendo a frescura, a desenvoltura, o humor e a ironia com os quais G. Fogaça concebe seus protagonistas e resolve suas composições, transformando-as em um ‘balé urbano’”.

Importância

Para Fogaça, a relevância de expor em outros países é que, além de estar tendo a oportunidade de conhecer outros galeristas, sua obra está transitando: “É importante intercambiar ideias, experiência e conhecimentos”. Em relação a esse intercâmbio com outros países, o artista plástico ressalta que o projeto Visões Simbólicas não seria possível se não fosse contemplado pelo Fundo de Arte e Cultura de Goiás e pela Lei Goyazes.

“A importância não é só para mim, mas para todas as áreas. Goiânia está fervilhando no teatro, na dança e no cinema, e essas leis possibilitam a gente fazer intercâmbios. Sem elas, seria praticamente impossível!”, afirma Fogaça. A exposição ainda conta com o apoio da Secretaria de Estado da Educação, Cultura e Esporte (Seduce), do Governo de Goiás e da Embaixada do Brasil em Portugal. 

Gerson Fogaça 

O artista nasceu na Cidade de Goiás, em 1967, e vive atualmente em Goiânia. “Eu saí do interior justamente por causa do desenho e da pintura, no finalzinho da década de 1980, e fui para Goiânia – onde tudo começou”, afirma Fogaça. A paixão do artista pelas artes começou ainda na infância, quando ele tinha apenas 8 anos e já desenhava: “Era algo instintivo, porque eu sou um artista autodidata”. 

Atualmente, Fogaça tem no currículo mostras individuais no Chile, na Espanha, na Bélgica, em Cuba, na Argentina e na Alemanha. Ele ainda pretende realizar, neste ano, três exposições: uma em São Paulo, uma nos Estados Unidos e outra no México. 

*Integrante do programa de estágio do jornal O HOJE sob orientação 

da editora Flávia Popov

SERVIÇO

Exposição ‘Visões Simbólicas’

Quando: desta sexta-feira (11) até o próximo dia 27 de julho

Onde: Casa da América Latina, em Lisboa, Portugal

Mais informações: http://casamericalatina.pt/ 

Veja Também