De carros novos, Porsche Cup inaugura temporada 2022 em Goiânia

O maior evento monomarca de Gran Turismo (GT) da América Latina abre sua 18ª temporada neste fim de semana em Goiânia. A

Postado em: 31-03-2022 às 11h40
Por: Ildeu Iussef
Saiba tudo sobre a 18ª temporada dos carros de competição mais produzidos no planeta | Foto: Divulgação

O maior evento monomarca de Gran Turismo (GT) da América Latina abre sua 18ª temporada neste fim de semana em Goiânia. A primeira etapa da Porsche Cup chega com uma grande novidade: os novos modelos Porsche 911 GT3 992 de última geração, que integrarão a classe principal da disputa, agora chamada de Carrera Cup.

O formato de disputa permanece o mesmo, com tomadas de tempo classificatórias e corridas separadas para as duas classes, e as principais atividades de pista acontecem no sábado (02) com classificação e a primeira corrida e no domingo (03) com a segunda corrida.

Grid Cheio

Continua após a publicidade

Tanto a Carrera Cup quanto a Sprint Challenge – nova nomenclatura da antiga classe GT3 Cup, adotada em alinhamento com a política global da Porsche – estão com os grids cheios, o que gera expectativa de muita disputa desde a sessão classificatória de sexta-feira (01).

No aspecto técnico o ano de 2022 vai possibilitar mais uma variável nos setups dos carros de corrida. A partir desse ano, além da rigidez das barras e das alturas das asas, os pilotos estão livres para determinar a calibragem dos pneus Michelin de seus carros.

Regulamento

Como nos últimos anos, a temporada da Porsche Cup terá nove etapas, sendo seis válidas pelo campeonato de Sprint (com rodadas duplas) e três pela Endurance Series (com os pilotos competindo em duplas ou trios, provas de 300 km a 500 km).

Tanto a Carrera Cup quanto a Sprint Challenge continuam tendo subcampeonatos. Além do campeonato geral, os pilotos pontuam na classe Sport ou na classe Rookie. Aqui há uma novidade: diferentemente dos anos anteriores, os competidores da classe Rookie (antiga Trophy) não marcam pontos na classe Sport.

O sistema de pontos segue igual ao dos últimos anos, com a vitória valendo 22 pontos nas corridas de grid definido pelo quali e 20 nas provas de grid invertido nas classes Carrera Cup e Sprint Challenge. Já os subcampeonatos distribuem menos pontos, com a vitória valendo respectivamente 12 ou 10.

O mecanismo de inversão de grid nas primeiras quatro etapas segue o consagrado nas últimas temporadas. Após a cerimônia de pódio na primeira prova do fim de semana, o vencedor sorteia o número 6, 7 ou 8, determinando a respectiva virada do grid para a prova seguinte. Nas duas últimas etapas não há inversão de grid: acontecem dois treinos classificatórios e cada corrida do fim de semana rende ao vencedor a pontuação cheia (22 ou 12 pontos, conforme a classe).

O descarte dos dois piores resultados de cada carro após o término do campeonato segue valendo -como forma de não prejudicar um competidor que seja obrigado a faltar a uma corrida, risco sempre presente em um cenário pós-pandêmico.

Veja Também