Ministra Rosa Weber encaminha notícia-crime contra Bolsonaro e Queiroga à PGR

A motivação seria a demora para incluir crianças de cinco a 11 anos no plano de vacinação, o que classificaria um possível “consentimento de crime de prevaricação”

Postado em: 25-01-2022 às 09h48
Por: Igor Afonso
A motivação seria a demora para incluir crianças de cinco a 11 anos no plano de vacinação, o que classificaria um possível “consentimento de crime de prevaricação” | Foto: Reprodução

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber encaminhou nesta segunda-feira (24/1) à Procuradoria-Geral da União (PGR) uma “notícia-crime” apresentada contra o presidente Jair Bolsonaro (PL) e o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga.

A motivação seria a demora para incluir crianças de cinco a 11 anos no plano de vacinação contra a Covid-19, o que classificaria um possível “consentimento de crime de prevaricação”. O pedido de investigação havia sido feito no dia 23 de dezembro do ano passado, em conjunto com a deputada Tabata Amaral (PSB-SP), com o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e com o secretário de Educação da cidade do Rio de Janeiro, Renan Ferreirinhas.

A solicitação destaca que, embora os riscos para crianças sejam menores, 2,5 brasileiros com idade até 17 anos morreram em decorrência da doença. Agora, Weber decidiu que o caso fosse analisado por Augusto Aras, procurador-geral da República.

Continua após a publicidade

Os políticos envolvidos no pedido de abertura da investigação apontam que as posturas adotadas por Bolsonaro e Queiroga podem categorizar ações “deliberadas e coordenadas para retardar a inclusão da vacina contra a Covid-19 para crianças de cinco a 11 anos no Plano Nacional de Imunização (PNI), impondo obstáculos que geram o atraso na definição da estratégia de campanha de vacinação, logística, aquisição, distribuição e monitoramento do processo como um todo”.

A vacinação infantil foi autorizada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no dia 16 de dezembro, mas a aplicação das doses só foi iniciada no dia 5 de janeiro.

Veja Também