Morre a escritora Harper Lee

Famosa pelo romance ‘O Sol É para Todos’, ela viva reclusa em uma casa de repouso no sul dos EUA

Postado em: 20-02-2016 às 00h00
Por: Redação
Famosa pelo romance ‘O Sol É para Todos’, ela viva reclusa em uma casa de repouso no sul dos EUA

JÚNIOR BUENO

Famosa por escrever o clássico O Sol é Para To­dos em 1960, a escritora americana Harper Lee morreu ontem, aos 89 anos. O livro ganhou um Prêmio Pulitzer e é considerada uma obra-prima do século 20 por seu retrato da injustiça racial na era da depressão no sul dos Estados Unidos. A notícia da morte foi divulgada nesta sexta-feira, inicialmente pelo AL.com, site de notícias locais do Alabama, nos EUA, e depois confirmada pela agência Reuters. O site e a agência confirmaram a morte por meio de fontes na cidade em que a escritora nasceu e onde vivia, Monroeville. A causa mortis não foi divul­ga­da.

Harper Lee morava em uma casa de repouso em sua cidade natal no Alabama e sofria de deficiências visuais e auditivas. Depois do primeiro livro, ela se retirou da vida pública e ficou até 2015 sem lançar um novo roman­ce. No ano passado, foi lançado Vá, Coloque um Vigia, que continua a história do livro de estreia. Seu manuscrito foi descoberto nos arquivos da escritora em 2014. O Sol é Para Todos vendeu aproximadamente 30 milhões de cópias. No ano passado, Vá, Coloque um Vigia, teve a maior pré-venda dos EUA desde Harry Potter, com 1,6 milhão de exemplares vendidos em papel. A obra, editada pela editora Harper Collins, põe em ce­na, 20 anos mais tarde, os mesmos personagens de seu primeiro livro. 

Continua após a publicidade

Escritores e admiradores de Lee lamentaram sua mor­te nas redes sociais. O fenômeno de vendas John Green, de A Culpa é das Estrelas postou no Twitter: “Quando meu filho Henry nasceu, Lee assinou uma cópia de Quem é Você, Alaska? (livro de Green) para ele com a inscrição, ‘Bem-vindo ao mun­do, Henry Atticus’. Esse livro é o meu bem mais precioso. A Senhora Lee viveu uma vi­da privada, mas ela era discretamente e, extra­or­di­na­ria­mente genero­sa”.

 

Veja Também