Revivendo Cássia Eller

Postado em: 15-04-2016 às 06h00
Por: Sheyla Sousa
Obra de uma das vozes mais marcantes da música brasileira é lembrada em musical que chega neste fim de semana em Goiânia

Luisa Guimarães

É quase inexplicável o prazer que um momento de nostalgia faz por uma pessoa. Reviver momentos, idealizar memórias, cultuar o passado. Se estas lembranças são tão boas, por que não revivê-las? A nostalgia musical, então… Uma confusão de sentimentos pode ser criada quando uma canção marcante começa a tocar. Em Cássia Eller – O Musical, o sentimento é justamente este. Serão quatro apresentações durante o fim de semana – todas no Teatro Sesi. 

Reviver a vida e a carreira de uma das vozes mais marcantes da música nacional é uma homenagem mais que merecida. O espetáculo está na segunda temporada de apresentações, percorrendo 15 capitais no total. No ano passado, foram outras 12, tornando-se, assim, o primeiro musical a realizar turnê por todas as capitais do País. 

Voz poderosa e parcerias importantes se destacavam em Cássia Eller, além da timidez e da dificuldade de falar em entrevistas. Sempre foi de poucas palavras faladas. Ela faleceu em 29 de dezembro de 2001, no auge da carreira, gerando controvérsias e polêmicas declarações sobre a causa de sua morte. Um simples “infarto agudo do miocárdio” não era o suficiente para a mídia. Logo os rumores sobre overdose de drogas surgiram – e logo foram desmentidos.

Patrícia Andrade é a autora do texto do espetáculo, que perpassa a vida de Cássia, desde antes do início de sua carreira, em Brasília. A autora buscou mergulhar na obra de Cássia, entrevistando familiares e amigos, tornando possível o mosaico sobre sua história. 

É claro que o destaque fica para sua trajetória na música. A responsabilidade do papel fica com Tacy de Campos, de Curitiba, que foi escolhida em audições entre mais de mil candidatas. “Ela surpreendeu a todos e, antes mesmo dela cantar, já estávamos magnetizados pela figura tímida e doce que ela é. Ao final da primeira música, ficamos um pouco em silêncio, admirados com o que estava diante de nós. Existem algumas semelhanças entre ela e a Cássia, e foi essa pureza de estado que nos arrebatou”, explica Vinícius Arneiro, que divide a direção com João Fonseca.

É um desafio encontrar alguém que não tenha vivido no ápice da carreira de Cássia Eller e que não se identifique com uma das canções eternizadas em sua voz. De Malandragem, escrita por Frejat e Cazuza, até Por Enquanto, de autoria de Renato Russo; foi ele que escreveu também a frase mais usada para descrever Cássia, sua conterrânea: “Sou fera, sou bicho, sou anjo e sou mulher”. 

All Star, O Segundo Sol, Relicário e Luz dos Olhos não iriam faltar no repertório da montagem, todas compostas pelo amigo e parceiro de trabalhos Nando Reis, que também é personagem na peça. A semelhança de Tacy com Cássia – no físico, no jeito e na voz – é o que envolve a plateia. A direção musical é de Lan Lanh, que tocou durante anos com Cássia e tem total propriedade na obra da cantora. 

Tanta semelhança deve despertar a tal nostalgia em quem estiver presente, como se uma parte de Cássia Eller estivesse ali. Talvez o sentimento saudosista seja a explicação para a ‘febre’ de musicais biográficos que os teatros vivem nos últimos anos. Mas, para João Fonseca, este é diferente dos musicais que ele já dirigiu sobre Tim Maia e Cazuza. “É focado no essencial, simples e teatral como a própria Cássia. Apenas cadeiras, os atores e os músicos. A Márcia Rubin elaborou uma coreografia diferente, não é uma dança convencional, mas uma movimentação coreográfica”, afirma.

Homenagear artistas importantes da nossa cultura, que ainda estão vivos, como Rita Lee, ou que já faleceram, como Elis Regina e Wilson Simonal, é a missão deste tipo de espetáculo. Mel Lisboa afirmou certa vez: “Posso dizer que a experiência de querer ser uma pessoa, que de fato existe, fez com que eu entendesse mais a mim mesma”, se referindo ao seu papel em Rita Lee Mora ao Lado, onde ela é a protagonista.

SERVIÇO

‘Cássia Eller – O Musical’

Onde: Teatro Sesi

Endereço: Avenida João Leite, 1013, Setor Santa Genoveva

Datas e horários:

Hoje (15), às 21h

Amanhã (16), às 17h e às 21h

Domingo (17), às 19h

Ingressos:

Hoje: R$ 90 (inteira) e R$ 45 (meia-entrada)

Amanhã (sábado): 17h – R$ 90 (inteira) e R$ 45 (meia)

    21h – R$ 100 (inteira) e R$ 50 (meia)

Domingo: R$ 100 (inteira) e R$ 50 (meia)

20% da lotação do teatro são vendidos a preços 

populares, em todas as apresentações, 

com valores de R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia)

Pontos de vendas: Komiketo da Av. T-4 (Setor Serrinha) 

/ Submarino Festas / Bilheteria do Teatro do Sesi 

Cartão de crédito: www.compreingressos.com 

e call center 4052-0016

 

Compartilhe: