Segunda-feira, 30 de março de 2020
GOIÂNIA-GO
{{tempo.temperatura}}°

Ser do bem

Instituições filantrópicas buscam alternativas para manter atendimentos à comunidade

Postado em: 04-12-2019 às 08h00
Atividades são custeadas, principalmente pelo trabalho ativo de voluntários na realização de eventos para angariar fundos. / Foto: Wesley Costa

Igor Caldas

A crise econômica também afetou as instituições filantrópicas. Além de ser uma Organização Religiosa, e sem fins lucrativos, o Grupo Espírito Luz, Lar, Caminho de Maria (GELLCM) realiza um trabalho de contribuição para o desenvolvimento e promoção social de quem mais necessita. No decorrer de 37 anos de trabalho a entidade expandiu suas atividades, mas acabou tendo uma retração dos projetos nos últimos anos. A instituição faz doações de alimentos, enxovais para bebês, oferece cursos e faz a gestão de um abrigo para 52 idosos na Capital. No entanto, necessita de ajuda para que esses serviços possam continuar a serem prestados.  

De acordo com a presidente da casa, Luzimar de Fátima Prudêncio, a diminuição das atividades vem acontecendo desde o ano passado. Ela acredita que o enxugamento dos recursos seja devido à crise em que o país se encontra. “A carência chegou aqui também. Não pensamos em suprimir nenhum dos serviços que temos prestado à comunidade, mas precisamos de ajuda de todos para que a gente mantenha o que nós já conseguimos construir”.

O GELLCM, conseguiu erguer sua sede própria há cerca de 16 anos, na Travessa Violeta, Qd. 108, Lt. 13, no setor Parque Oeste Industrial. Atualmente o espaço, conta com uma estrutura física própria de dois blocos (sendo um bloco de três andares e outro de dois andares), com salas de aulas. O local já ofereceu cursos de computação, artesanato (pintura, crochê, bordado, pedrarias, tapetes, bijouteria, etc.), corte e costura (profissional e comunitária), judô e violão. Hoje, o local está oferecendo apenas o curso de corte e costura e, ocasionalmente, pintura.

A entidade funciona com 22 funcionários e cerca de 20 voluntários fixos. Todas as atividades são custeadas, principalmente pelo trabalho ativo feito pelos voluntários para angariar fundos. Há comercialização de roupas novas (doadas por confecções) e usadas, móveis e eletrodomésticos usados no Bazar montado em frente à sede da casa todas as quintas-feiras das 9h as 15h. A lanchonete que funciona no mesmo lugar é aberta todos os dias, das 17h até 20h30.

No mesmo endereço, nas manhãs de sábado, a comunidade carente pode receber doação de verduras frescas, compradas diretamente de uma das unidades do CEASA. Enquanto as famílias aguardam as doações chegarem da Central de Abastecimento, elas podem desfrutar de um café da manhã oferecido gratuitamente na sede da instituição. Um dos eventos tradicionais organizados pela casa de oração é o Natal Solidário, que distribui cerca de mil cestas básicas, brinquedos e enxovais para famílias carentes, dias antes do Natal.

Na edição deste ano, Luzimar teme que a escassez de doações dificulte o cumprimento da meta de doação de mil cestas básicas. “Até agora, estamos com pouco material para montar as cestas. Os brinquedos também ainda não chegaram”. Ela faz um apelo à sociedade para doação de alimentos, brinquedos, malhas, para tentar fazer com que as famílias carentes tenham um Natal mais feliz. O evento será no dia 21 de dezembro, com café da manhã farto, disponível das 7h30 às 11h.

Além das doações para o Natal Solidário, a presidente solicita doações para as necessidades do abrigo de idosos. Eles estão precisando de doações de lençóis, alimentos de diversos tipos, leite, fraldas, produtos de limpeza. Além da doação material, os idosos necessitam de carinho. Muitos estão no abrigo porque sofreram abandono e são muito carentes. O horário para visitação no abrigo é das 14h às 17h.

Eventos beneficentes sustentam entidade 

Além de preparar parte da alimentação para os 52 internos que vivem no abrigo, a cozinha da casa religiosa também produz comida para distribuição em comunidades carentes dos Bairros Jardim Botânico e Buena Vista. Todo sábado, pela manhã, voluntários distribuem cafés da manhã, enxovais para bebês e remédios nestes bairros carentes. Na segunda unidade da instituição, localizada na Rua Capri, 48, no bairro Jardim Europa são distribuídas 100 marmitas para a comunidade.  

A cozinha da instituição também já foi mais movimentada, quando preparava comida para distribuir em marmitex a quatro comunidades carentes localizadas nos setores Fortville, Botânico, Fidéllis (Região Noroeste) e o setor São Conrado (Aparecida de Goiânia) aos sábados e domingos. Essas atividades também foram suprimidas por falta de recursos. A falta de professores voluntários também fez com que inúmeras atividades de capacitação profissional desaparecessem. Elas eram voltadas para crianças, jovens, adultos e idosos de comunidades carentes.

Um dos pilares de sustentação da casa é o evento que acontece pelo menos duas vezes por mês, na casa do fundador da organização, Edmar José de Castro. Ele empresta sua residência para transformá-la em um restaurante beneficente. Durante o evento também são comercializados alimentos produzidos artesanalmente, como café torrado e moído, bolos e outros quitutes.

No primeiro domingo de cada mês, é realizada uma das edições mensais do almoço beneficente. No próximo domingo (8), haverá comida à vontade pelo preço de R$ 15. O restaurante é instalado na Rua Luxemburgo, Qd 120 Lt 15, Setor Jardim Europa. “É um almoço com muita fartura e a comida é muito diversificada e gostosa. A gente monta um verdadeiro restaurante para toda família. Atendemos de 100 a 120 pessoas a cada evento”, afirma a presidente.  

Outro pilar do trabalho voluntário da organização é a confecção dos enxovais para doação às gestantes carentes. A presidente da entidade, Luzimar de Fátima Prudêncio, conta que foi ela quem iniciou o trabalho, mesmo sem saber costurar. “O trabalho começou com apenas duas máquinas de costura. Eu aprendi, mais ou menos, e tentava passar o pouco que aprendia para as voluntárias novatas. Depois, foram entrando outras que evoluíram o trabalho”.

A produção de enxovais pela GELLCM começou há 10 anos. Eunice Rodrigues Teixeira foi uma das primeiras a participar desse movimento. A dona de casa passa seu tempo costurando na instituição pelo menos quatro vezes por semana. “É uma terapia. Me sinto muito bem quando venho trabalhar aqui. A gente ganha muito mais do que as pessoas que a gente ajuda. A prova disso é a espiritualidade que nunca deixou o trabalho da casa esmorecer”, enfatiza Eunice.

Ela ainda afirma que, como outros voluntários com mais tempo de trabalho na casa, ajudou na construção da sede e acompanhou a expansão das atividades do grupo, que agora sofre uma retração. “Eu não esperava que a casa fosse crescer tanto. Como outros, ajudei com minhas próprias mãos na construção desse prédio. Com ela, também foi construída minha fé”, finaliza. (Especial para O Hoje)

 

Seja o primeiro a comentar

Fazer comentário

Acesse sua conta para comentar, é rápido e gratuito.

Inscreva-se na newsletter e receba

conteúdo exclusivo

Digite aqui o que deseja pesquisar