Ruiter Silva aposta em pódio no revezamento do Brasil

Medalha de prata no revezamento 4 x 100m livre 34 pts nos Jogos Paralímpicos do Rio, em 2016, a equipe brasileira vai

Postado em: 29-08-2021 às 14h30
Por: Victor Pimenta
Prata nos Jogos Paralímpicos do Rio, em 2016, goiano quer repetir a dose no revezamento 4 x 100m livre, em final marcada para segunda-feira (30) | foto: Alê Cabral / CPB

Medalha de prata no revezamento 4 x 100m livre 34 pts nos Jogos Paralímpicos do Rio, em 2016, a equipe brasileira vai nadar pelo pódio novamente nas Paralímpiadas de Tóquio. Integrante do time, o goiano Ruiter Silva acredita que o Brasil possa repetir o feito novamente na capital japonesa, na prova marcada para segunda-feira (30), às 8 horas (de Brasília), com transmissão ao vivo pelo SporTV 2.

“É uma prova que a gente tem um potencial muito grande de surpresa. Hoje, a Itália é a grande favorita, mas a Rússia e a Ucrânia têm grande tradição nas provas de revezamento. Mas assim como fomos medalhistas no Rio, podemos ser medalhistas no Japão”, avalia Ruiter Silva, que no sábado à noite estreou em sua segunda Paralimpíada disputando as eliminatórias dos 50m livre S9. Em prova muito disputada nas quatro baterias, ele não se classificou à final.

Na final do revezamento 4 x 100m livre 34pts, Ruiter vai nadar ao lado de Phelipe Rodrigues, outro remanescente da equipe medalha de prata no Rio, Vanilton do Nascimento e Talisson Glock, que substituem Andre Brasil e Daniel Dias. Em 2016, o time brasileiro marcou o tempo de 3m48s98. O recorde mundial é da Austrália, registrado em 2009, com 3m46s38.

Continua após a publicidade

Mais um desafio individual

Depois da final do revezamento, Ruiter Silva ainda tem mais uma chance de buscar uma medalha nas Paralimpíadas de Tóquio. Na terça-feira (31), às 21h45 (de Brasília), ele disputa as eliminatórias dos 200m medley SM 9. A meta do goiano é de, pelo menos, melhorar a marca pessoal, que é de 2m25s68, e se garantir na final, marcada para quarta-feira (1º). O australiano Matthew Cowdrey é o detentor do recorde mundial nesta prova, com 2m09s69, batido em 2010.

Veja Também