Adson Batista explica situação do Serra Dourada para partida do Atlético nas oitavas da Sul-Americana

Postado em: 27-05-2022 às 18h23
Por: Breno Modesto
Ao lado de Jovair Arantes, o presidente atleticano, Adson Batista, falou das condições da praça esportiva | Foto: Bruno Corsino/Atlético-GO

Pouco depois do sorteio das oitavas de finais da Copa Sul-Americana, o presidente atleticano, Adson Batista, explicou a situação sobre a definição do local onde mandará o jogo com seu mando. Sem a capacidade de 20 mil lugares, a mínima exigida pela Conmebol para as oitavas de finais, o Antônio Accioly, que recebeu os três jogos da fase de grupos, não será o palco do jogo com mando do clube do bairro de Campinas.

De acordo com Adson, ele solicitará uma revisão no Serra Dourada, que também não atende a todas as exigências da Conmebol e, se preciso for, arcar com as multas impostas pela entidade, caso a praça esportiva seja liberada.

“A gente tem interesse em jogar no Serra Dourada. É o palco maior (do futebol goiano). Mas o Serra Dourada parou no tempo. Nós temos que ser verdadeiros. Não estamos aqui para buscar culpados. De maneira respeitosa, vamos tentar achar uma solução. Vamos buscar uma vistoria da Conmebol, que vê problema até no ar que nós respiramos. Então, faremos isso, para não termos problemas maiores. Temos de ter muito cuidado quanto a isso. Vamos esmiuçar (soluções) de todas as formas, para preservar nossa torcida. Só vamos sair daqui (de Goiânia) se não tiver jeito, se tivermos de fazer coisas que não estão ao nosso alcance”, explicou Adson Batista.

Compartilhe: